Maria José Bezerra (Maria Soldado): Una Enfermeira Negra Brasileira Invisible

Maria José Bezerra (Maria Soldado): A Brazilian Black Nurse Invisibilized

Maria José Bezerra (Maria Soldado): Una Enfermera Negra Brasileña Invisibilizada

Palabras clave: Historia de la enfermería, Biografía, Racismo, Enfermería
Key-words: History of Nursing, Biography, Racism, Nursing
Palavras chave: História da Enfermagem, Biografia, Racismo, Enfermagem

Resumen

Abstract

Resumo

Bibliografía

-Amaro, S. (2005). A questão racial na assistência social: um debate emergente. Revista Serviço Social & Sociedade, 26(81), 58-81.
-Brasil. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012 (2013). Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 13 jun. 2013.
-Brasil a. Projeto de Lei nº 99, de 8 de maio de 2015. (2015, 8 de maio). Requer que o nome de "Maria Soldado" seja perpetuado em uma das ruas, avenidas, praças ou logradouros públicos no município de Limeira. Câmara Municipal de Limeira, Recuperado de: http://siave.limeira.sp.leg.br/Documentos/ListarArquivosPdf/59183
-Brasil b. Lei nº 5.539, de 08 de agosto de 2015. (2015, 08 de agosto) Perpetua o nome de "Maria Soldado" (Maria José Bezerra) em uma das ruas, avenidas, praças ou logradouros públicos no município de Limeira. Câmara Municipal de Limeira Recuperado de: http://siave.limeira.sp.leg.br/Documentos/ListarArquivosPdf/59183
-Campos, P.F.S, Oguisso, T. e Freitas, G.F. (2007). Cultura dos cuidados: mulheres negras e formação da enfermagem profissional brasileira. Cultura de los Cuidados, 11(22), 33-39. https://doi.org/10.14198/cuid.2007.22.05
-Campos, P.F.S. (2012). Programa Enfermagem do SESP: formação e identidade profissional brasileira pós-1930. Cadernos de História da Ciência, 8(1),77-90. https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2012.v8.35822
-Campos, P.F.S. (2015). As enfermeiras da Legião Negra: representações da enfermagem na revolução constitucionalista de 1932. Faces de Eva. Estudos sobre a Mulher, 33,53-65.
-Campos, P.F.S. e Oguisso, T. (2008). A Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo e a reconfiguração da identidade profissional da Enfermagem Brasileira. Revista Brasileira de Enfermagem, 61(6), 892-898. https://doi.org/10.1590/S0034-71672008000600017
-Connell, R. (2015). Gênero e corporificação na sociedade mundial. Revista Lusófona de Estudos Culturais, 3(1), 281-287. https://doi.org/10.21814/rlec.96
-Conselho Federal de Enfermagem - COFEN. (2015). Relatório Final da Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil. Núcleo de Estudos e Pesquisas em Recursos Humanos em Saúde: Fiocruz.
-Faustino, O. (2011). A Legião Negra - A luta dos afro-brasileiros na Revolução Constitucionalista de 1932. São Paulo: Selo Negro.
-Fausto, B. (2010). A revolução de 1930: historiografia e história. Rio de Janeiro: Companhia das Letras.
-Fernandes, M.A. (2000). A Cena Muda. São Paulo: Ateliê Editorial.
-Ferreira, J.U.G., Campos, P.F.S. (2014). Pérolas Negras: a participação de mulheres negras na Revolução Constitucionalista de 1932. Revista Trilhas da História, 3(6),121-148.
-Low, L. (2013). Enfermeiras negras na revolução constitucionalista de 1932. (tese de doutoramento). Universidade de São Paulo: São Paulo.
-Low, L., Oguisso, T. (2014). Mary Seacole e Maria Soldado: enfermeiras negras que fizeram história. Cultura de los Cuidados 18(38), 64-70. https://doi.org/10.7184/cuid.2014.38.09
-Mascarenhas, N.B., Melo, C.M.M., Silva, L.A. (2016). Gênesis do trabalho profissional da enfermeira no Brasil (1920-1925). Revista Escola de Enfermagem Anna Nery, 20(2),220-227. https://doi.org/10.5935/1414-8145.20160029
-Munanga, K. (2004). Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. Seminário Nacional de Relações Raciais e Educação, Rio de Janeiro. Recuperado de https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2014/04/Uma-abordagem-conceitual-dasnocoes-de-raca-racismo-dentidade-e-etnia.pdf
-Oguisso, T., Campos, P.F.S. e Moreira, A. (2011). Enfermagem pré-profissional no Brasil: questões e personagens. Enfermagem em Foco, (2),68-72. https://doi.org/10.21675/2357-707X.2011.v2.nSUP.85
-Padilha, M.I., Nelson, S. e Borenstein, M.S. (2011). As biografias como um dos caminos na construção da identidade do profissional da Enfermagem. História Ciências e Saúde - Manguinhos, 18(supl.1):241-52. https://doi.org/10.1590/S0104-59702011000500013
-Pereira, A.J.B.B. e Valente, A.L.E.F. (2014). O negro na Revolução Paulista de 32 - Entrevista com Raul Joviano do Amaral. Revista USP, (102), 101-109. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i102p101-109
-Pinheiro, C.W. (2015). O cuidado das amas-de-leite e o protagonismo do negro na história da enfermagem: uma luta por equidade. Here-História da enfermagem: revista eletrônica, 6(1), 124-34.
-São Paulo (Estado). Participação da mulher na Revolução de 32 é marco importante para legado feminino no país. Jornal A Gazeta. 05.09.1932. Recuperado de: https://www.migalhas.com.br/quentes/204015/participacao-da-mulher-na-revolucao-de-32-e-marco-importantepara-legado-feminino-no-pais
-Silva, T.A. e Freitas, G.F. (2018). Perfil sociodemográfico, socio-culturales y académicos de estudiantes de enfermería en una institución de educación privada. Cultura de los cuidados, 12(52), 129-141. https://doi.org/10.14198/cuid.2018.52.12
-Villa, M.A. (2010). A revolução de 1932 Constituição e cidadania. São Paulo: Imprensa Oficial

Novedades
Estadísticas
Cómo citar
1.
Moura, Roudom Ferreira; Schimidt, Teresa Cristina Gioia. Maria José Bezerra (Maria Soldado): Una Enfermera Negra Brasileña Invisibilizada. Cultura de los cuidados. 2024; 28(68): 179-88. Disponible en: https://ciberindex.com/c/cc/68179188cc [acceso: 19/07/2024]
Comentarios

DEJA TU COMENTARIO     VER 0 COMENTARIOS

Normas y uso de comentarios


Hay un total de 0 comentarios


INTRODUCIR NUEVO COMENTARIO

Para enviar un comentario, rellene los campos situados debajo. Recuerde que es obligatorio indicar un nombre y un email para enviar su comentario (el email no sera visible en el comentario).

Nombre:
e-mail:
Comentario: