A práxis da enfermagem de reabilitação e os contributos da osteopatia

Rehabilitation nursing practice and the contribution of osteopathy

La práctica de la enfermería de rehabilitación y las contribuciones de la osteopatía

  • Artur José Caldas Unidade Local de Saúde do Alto Minho Unidade de Cuidados na Comunidade de Melgaço (Melgaço, Portugal)
  • Clara de Assis Coelho de Araújo Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem (UICISA: E). Escola Superior de Saúde. Instituto Politécnico de Viana do Castelo (Viana do Castelo, Portugal)
Palabras clave: enfermería en rehabilitación, medicina osteopática
Key-words: rehabilitation nursing, osteopathic medicine
Palavras chave: enfermagem em reabilitação, medicina osteopática

Resumen

Abstract

Resumo

Bibliografía

Amaral, A. (2014). Um modelo de efetividade de cuidados em enfermagem. Revista Investigação em Enfermagem, 8(1), 20-34.
Azevedo, V., Carvalho, M., Costa, F. F., Mesquita, S., Soares, J., Teixeira, F., & Maia, A. (2017). Transcrever entrevistas: Questões conceptuais, orientações práticas e desafios. Revista de Enfermagem Referência, 4(14), 159-168. doi:10.12707/RIV17018
Barreto, N. (2014). Componentes de formação no plano de estudos: A componente prática num curso profissional de Osteopatia (Dissertação de mestrado). Universidade Aberta, Lisboa, Portugal.
Bernard, R. (2006). Research methods in anthropology: Qualitative and quantitative approaches. Lanham, MD: AltaMira Press.
Comissão de Especialidade de Enfermagem de Reabilitação. (2010). Enfermagem de Reabilitação e cuidados continuados: Consolidação de premissas antigas ou um novo desafio? Ordem dos Enfermeiros, 33, 22-27.
Direção Geral da Saúde. (2008). Osteopatia resumo da caracterização da terapêutica e do perfil do profissional. Recuperado de https://www.dgs.pt/ficheiros-de-upload-1/tnc-osteopatia-completo.aspx.
Direção-Geral da Saúde. (2013). Plano Nacional de Saúde 2012-2016. Recuperado de http://pns.dgs.pt/files/2013/05/PNS2012_2016_versaoresumo_maio20133.pdf.
Fontanella, B., Ricas, J., & Turato, E. (2008). Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: Contribuições teóricas. Cadernos de Saúde Pública, 24(1), 17-27. doi:10.1590/SO102-311X2008000100003
Fortin, M. (2009). O processo de investigação: Da conceção à investigação. Loures, Portugal: Lusociência.
Lacerda, F. (2005). Gestão da qualidade: Fundamentos da excelência. Brasília, Brasil: Sebrae.
Lam, M., Banihashem, M., Lam, H., Wan, A., & Chow, E. (2019). Patient experience, satisfaction, perception and expectation of osteopathic manipulative treatment: A systematic review. International Journal of Osteopathic Medicine, 32(19), 28-43. Recuperado de https://www.journalofosteopathicmedicine.com/article/S1746-0689(18)30131-7/fulltext
Lima, W. (2018). A osteopatia e as vertigens: Entenda a relação. Recuperado de http://osteopatiasp.com.br/osteopatia-vertigens.
Ordem dos Enfermeiros. (2016). Parecer n.º 06/2016. Utilização da osteopatia nos cuidados prestados por enfermeiro especialista em Enfermagem de Reabilitação. Recuperado de http//www.ordemenfermeiros.pt/documentos/Documents/Parecer_06_2016_MCEER_UtilizacaoOsteopatiaCuidadosPrest.pdf.
Pestana, H. (2016). Cuidados de enfermagem de reabilitação: Enquadramento. In C. Vieira & L. Sousa (Eds.), Cuidados de enfermagem de reabilitação à pessoa ao longo da vida (pp. 47-55). Loures, Portugal: Lusodidacta.
Regulamento n.º 122/2011 de 18 de fevereiro. Diário da República nº35/08 II Série, Parte E. Ordem dos Enfermeiros. Lisboa, Portugal
Regulamento n.º 392/2019 de 3 de maio. Diário da República nº85/2019 II Série. Ordem dos Enfermeiros. Lisboa, Portugal.
Ricard, F., & Vaca, A. (2017).Osteopatía basada en la evidencia: Evidencia científica y bases de la osteopatía. Madrid, España: Medos Edición.
Sampieri, R. H., Collado, C.F., & Lucio, P. B. (2013) Metodologia de pesquisa (5ª ed.). São Paulo, Brasil: McGraw Hill.
Santos, L. (2016). O processo de reabilitação. In C. Vieira & L. Sousa (Eds.), Cuidados de enfermagem de reabilitação à pessoa ao longo da vida (pp. 15-23). Loures, Portugal: Lusodidacta.
World Health Organization. (2010). Benchmarks for training in traditional / complementary and alternative medicine – Benchmarks for Training in Osteopathy. Recuperado de https://www.who.int/medicines/areas/traditional/BenchmarksforTraininginOsteopathy.pdf
Xavier, B. (2001). Terapias alternativas e sociedade moderna: Popularidade e consumo de medicinas não convencionais. Revista de Enfermagem Referência (6), 23-28

Novedades
Estadísticas
Cómo citar
1.
Caldas, Artur José; Araújo, Clara de Assis Coelho de. La práctica de la enfermería de rehabilitación y las contribuciones de la osteopatía. Revista De Enfermagem Referência. 2020; 5(1): 1-. Disponible en: http://ciberindex.com/c/ref/520208p [acceso: 30/03/2020]
Sección
Artículos de Investigación
Comentarios

DEJA TU COMENTARIO     VER 0 COMENTARIOS

Normas y uso de comentarios


Hay un total de 0 comentarios


INTRODUCIR NUEVO COMENTARIO

Para enviar un comentario, rellene los campos situados debajo. Recuerde que es obligatorio indicar un nombre y un email para enviar su comentario (el email no sera visible en el comentario).

Nombre:
e-mail:
Comentario: