Espiritualidade e religião como recursos para o enfrentamento do câncer de mama

Spirituality and religion as resources for breast cancer coping

Espiritualidad y religión como recursos para el enfrentamiento del cáncer de mama

  • Gabriella Santos Ribeiro Graduanda em Enfermagem pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia-MG, Brasil
  • Cristiane Soares Campos Enfermeira Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia-MG, Brasil
  • Anna Claudia Yokoyama dos Anjos Docente do Curso de Graduação em Enfermagem e Orientadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia/UFU, Uberlândia-MG, Brasil
Palabras clave: Neoplasias de mama, Espiritualidad, Religión, Enfrentamiento, Enfermería oncológica
Key-words: Breast neoplasms, Spirituality, Religion, Confrontation, Oncological nursing
Palavras chave: Neoplasias da mama, Espiritualidade, Religião, Enfrentamento, Enfermagem oncológica

Resumen

Abstract

Resumo

Bibliografía

1. Medeiros RHA. O papel da informação adicional no bem-estar psicológico subjetivo de pacientes submetidas à mastectomia: um estudo pela melhoria no atendimento hospitalar. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Psicologia, PUCRS, Porto Alegre- RS,2001.
2. Venâncio JL. Atuação do psicólogo no câncer de mama. Rev Bras de Cancerol 2004; 50(1):55-63.
3. Choumanova I, Wanat S, Barrett R, Koopman C. Religion and Spirituality in coping with Breast Cancer: Perspectives of Chilean Women. USA. The Breast Journal abril 2006;12:349-352. Disponível em: <http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1075122X.2006.00274.x/epdfr3_referer=wol&tracking_action=preview_click&show_checkout1&purchase_referrer=www.ncbi.nlm.nih.gov&purchase_site_license=LICENSE_DENIED>. Acesso em: 03 out. 2016.
4. Geronasso MCH, Coelho D. A influência da religiosidade/espiritualidade na qualidade de vida das pessoas com câncer. Saúde e ambiente: Rev Inter Santa Catarina jun 2012;1(1):173-187. Disponível em: <http://www.periodicos.unc.br/index.php/sma/article/view/227/270>. Acesso em: 10fev. 2016.
5. Socci V. Religiosidade e o adulto idoso. In: Witter. G.P. (org). Envelhecimento: referenciais teóricos e pesquisas. Campinas: Ed. Alínea 2006.
6. Rabelo MC. Religião e cura: algumas reflexões sobre a experiência religiosa das classes populares urbanas. Cader de Saud Públi 1993;9:316-325.
7. Fehring RJ, Miller JF. Spiritual well-being, religiosity, hope, depression, and other mood states in elderly people coping with cancer. Oncol Nurs Forum 1997;24(4):663-671.
8. Myres DG. The funds, friends and Faith of happy people. Americ Psycholo 2000;55(1):56-67.
9. Langdon EJ. Cultura e processos de saúde e doença. In: JEOLÁS, L.S.; OLIVEIRA, M. Anais do seminário sobre cultura, saúde e doença. Londrina (PR): Edit Fiocr 2003;91-105.
10. Helman CG. Cultura, saúde e doença. 4.ed. Porto Alegre: Artmed 2003.
11. Gualda DMR.; Hoga, LAK. Pesquisa etnográfica em enfermagem. Rev Esc Enf 1997;31(3):410-422.
12. Stake RE. Case studies. In: Denzin NK, Lincoln YS, editors. Strategies of qualitative inquiry. Thousand Oaks: Sage Publications 2003.
13. Barton TD. Understanding Practitioner Ethnography. Nurse Researcher, Unit King 2008;15(2):7-18.
14. Manzini EJ. Uso da entrevista em dissertações e teses produzidas em um programa de pós-graduação em educação. Rev Perc – Maringá, 2012;4(2):149-171.
15. Braun V, Clarke V. Using thematic analysis in psychology. Qualit rese in psychol 2006; 3(2):77-101.
16. Censo demográfico 2010. Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE 2011. Acesso em: Jul. 2017.
17. Instituto Nacional De Câncer (Brasil), Câncer no Brasil: dados dos registros de base populacional: volume IV. Rio de Janeiro 2016.
18. Caetano EA, Gradim CVC, Santos LES. Câncer de mama: reações e enfrentamento ao receber o diagnóstico. Rev enferm jan 2009;17(2):257-61.
19. Lustz C, White GM. The anthropology of emotions. Rev Anthropol 1986;15:405-436,1986.
20. Bonassa EMA, Gato MI. Terapêutica Oncológica para enfermeiros e farmacêuticos. 4.ed. São Paulo: Atheneu 2012.
21. NCCN – National Comprehensive Cancer Network. Cancer-related fatigue: NCCN Clinical Practice Guidelines in Oncology. Disponível em: <www.nccn.org>. Acessado em 18 de setembro de 2016.
22. Bonassa EMA, Santana TR. Enfermagem em terapêutica oncológica. 3. ed. São Paulo: Atheneu 2005;131-5.
23. Miedema B, Hamilton R, Easley J. From “invincibility” to “normalcy”: coping strategies of young adults during the cancer journey. Pallia Sup Care 2007 agost;5(1):41-9.
24. Sales ACA, Paiva L, Scandiuzzi D, Anjos ACY. Qualidade de vida de mulheres tratadas de cancer de mama: funcionamento social. Rev Brasil de Cancerol 2014;47(3):263-72.
25. Fonseca NR, Penna AFG, Soares, MPG. Ser cuidador familiar: estudo sobre as consequências de assumir este papel. Pgysis Rev De Saúd Colet 2008 abril;18(4):727-743.
26. Gall TL, Charbonneau C, Florack P. The relationship between religious/ spiritual factors and perceived growth following a diagnosis of breast câncer. Psychol and Health 2011 marc;26(3):287-305.Disponivel em: http://dx.doi.org/10.1080/08870440903411013.
27. Aquino VV, Zago MMF. O significado das crenças religiosas para um grupo de pacientes oncológicos em reabilitação. Rev Latino-americana de Enfer Ribeirão Preto jan-fev 2007; 15(1):42-47. Disponível em: <http://www. revistas.usp.br/rlae/article/view/2395/2648>. Acesso em: 11 mar. 2016.

Novedades
Estadísticas
Cómo citar
1.
Ribeiro, Gabriella Santos; Campos, Cristiane Soares; Anjos, Anna Claudia Yokoyama dos. Espiritualidad y religión como recursos para el enfrentamiento del cáncer de mama. Revista De Pesquisa: Cuidado é Fundamental. 2019; 11(4): 849-56. Disponible en: http://ciberindex.com/c/ps/P849856 [acceso: 20/09/2019]
Sección
Pesquisa
Comentarios

DEJA TU COMENTARIO     VER 0 COMENTARIOS

Normas y uso de comentarios


Hay un total de 0 comentarios


INTRODUCIR NUEVO COMENTARIO

Para enviar un comentario, rellene los campos situados debajo. Recuerde que es obligatorio indicar un nombre y un email para enviar su comentario (el email no sera visible en el comentario).

Nombre:
e-mail:
Comentario: