T’sarat/lepra: caminos tomados por los familiares de los pacientes tratados en el entorno de asilo

T’sarat/leprosy: paths taken by relatives of former patients treated in the asylum environment

T’sarat/hanseníase: caminhos trilhados por familiares de exdoentes tratados em ambiente asilar

  • Mônica Gisele Costa Pinheiro Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) (Rio Grande do Norte, Brasil)
  • Clélia Albino Simpson Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) (Rio Grande do Norte, Brasil)
  • Francisco Arnoldo Nunes de Miranda Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) (Rio Grande do Norte, Brasil)
  • Felismina Rosa Parreira Mendes Universidade de Évora (Évora, Brasil)
Palabras clave: Acontecimientos que cambian la vida, Lepra, Estigma social, Familia, Enfermería
Key-words: Life change events, Leprosy, Social stigma, Family, Nursing
Palavras chave: Acontecimentos que mudam a vida, Hanseníase, Estigma social, Família, Enfermagem

Resumen

Abstract

Resumo

Bibliografía

1. Medeiros APS, Queiroz TA, Carvalho FPB, Simpson CA, Miranda FAN, Maia EMC. Perfil de pessoas com e sem comorbidades acometidas por reações hansênicas. Cogitare Enferm. 2015; 20(2):281-8.
2. Santos KS, Fortuna CM, Santana FR, Gonçalves MFC, Marciano FM, Matumoto S. Significado da hanseníase para pessoas que viveram o tratamento no período sulfônico e da poliquimioterapia. Rev Latino- Am Enferm. 2015; 23(4):620-7.
3. Pinheiro MGC, Monteiro BR, Medeiros ER, Silva FS, Simpson CA, Miranda FAN et al. Repercussion of segregation in the lives of children separated by leprosy. Int Arch Med. 2016; 9(75):1-9.
4. Leite SCC, Sampaio CA, Caldeira AP. Como ferrugem em lata velha: o discurso do estigma de pacientes institucionalizados em decorrência da hanseníase. Physis Rev Saúde Coletiva. 2015; 25(1):121-38.
5. Leite SCC, Caldeira AP. Oficinas terapêuticas para a reabilitação psíquica de pacientes institucionalizados em decorrência da hanseníase. Ciênc Saúde Coletiva. 2015; 20(6):1835-42.
6. Silva LF. Filantropia e política de assistência às famílias de doentes de lepra em Goiás, 1920-1962. Hist Cienc Saude Manguinhos. 2016; 23(2):321-40.
7. Pinheiro MGC, Medeiros IBG, Monteiro AI, Simpson CA. O enfermeiro e a temática da hanseníase no contexto escolar: relato de experiência. Rev Pesq Cuid Fundam. [Internet] 2015 [citado em 15 mar 2017]; 7(3):2774-80. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/ index.php/cuidadofundamental/article/view/3856/pdf_1621
8. Garbin CAS, Garbin AJI, Carloni MEOG, Rovida TAS, Martins RJ. The stigma and prejudice of leprosy: infl uence on the human condition. Rev Soc Bras Med Trop. 2015; 48(2):194-201.
9. Meihy JCSB. Manual de História oral. 4. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2002.
10. Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70;Livraria Martins Fontes, 1979.
11. Rodrigues FF, Calou CGP, Leandro TA, Antezana FJ, Pinheiro AKB, Silva BP, Alves MDS. Conhecimento e prática dos enfermeiros sobre hanseníase: ações de controle e eliminação. Rev Bras Enferm. 2015; 68(2):297-304.
12. Videres ARN, Simpson CA, Mendes FRP, Oliveira RCC, Adário KDO, Pimenta EF et al. Manifestations of stigma and prejudice informed by treated lepers. Int Arch Med. 2016; 9(47):1-10.
13. Schweickardt JC, Xerez LM. A hanseníase no Amazonas: política e institucionalização de uma doença. Hist Cienc Saude Manguinhos. 2015; 22(4):1141-56.
14. Savassi LCM, Modena CM. Hanseníase e a Atenção Primária: desafios educacionais e assistenciais na perspectiva de médicos residentes. Hansen Int 2015; 40(2):2-16.
15. Pinheiro MGC, Miranda FAN, Simpson CA, Vitor AF, Lira ANBC. Limitações e incapacidades físicas no pós-alta em hanseníase: uma revisão integrativa. Rev Baiana Enferm. 2016; 30(2):1-11.
16. Faria L, Santos LAC. A hanseníase e sua história no Brasil: a história de um flagelo nacional. Hist Cienc Saude Manguinhos. 2015; 22(4):1491-95.
17. Opromolla PA, Laurenti R. Controle da hanseníase no Estado de São Paulo: análise histórica. Rev Saude Publica. [Internet] 2011 [citado em 15 mar 2017]; 45(1):195-203. Disponível em: http://www.scielo.br/ pdf/rsp/v45n1/1764.pdf.
18. Monte RS, Pereira MLD. Hanseníase: representações sociais de pessoas acometidas. Rev Rene. 2015; 16(6):863-71.
19. Cruz A. Uma cura controversa: a promessa biomédica para a hanseníase em Portugal e no Brasil. Physis. 2016; 26(1):25-44.
20. Aquino CMF, Rocha EPAA, Guerra MCG, Coriolano MWL, Vasconcelos EMR, Alencar EN. Peregrinação (Via Crucis) até o diagnóstico da hanseníase. Rev Enferm UERJ. 2015; 23(2):185-90.
21. Pinheiro MGC, Bezerra e Silva SY, Moura IBL, Silva FS, Isoldi DMR, Simpson CA. Contribuição de práticas educativas para conhecimento de escolares do ensino médio sobre hanseníase. Rev Enferm UFPE on line. [Internet] 2015 [citado em 15 mar 2017]; 9(11):9804- 10. Disponível em: http://www.periodicos.ufpe.br/revistas/ revistaenfermagem/article/view/10771/11909

Novedades
Estadísticas
Cómo citar
1.
Pinheiro, Mônica Gisele Costa; Simpson, Clélia Albino; Miranda, Francisco Arnoldo Nunes de; Mendes, Felismina Rosa Parreira. T’sarat/lepra: caminos tomados por los familiares de los pacientes tratados en el entorno de asilo. Revista De Pesquisa: Cuidado é Fundamental. 2019; 11(1): 47-2. Disponible en: http://ciberindex.com/c/ps/P111047 [acceso: 20/02/2019]
Sección
Pesquisa
Comentarios

DEJA TU COMENTARIO     VER 0 COMENTARIOS

Normas y uso de comentarios


Hay un total de 0 comentarios


INTRODUCIR NUEVO COMENTARIO

Para enviar un comentario, rellene los campos situados debajo. Recuerde que es obligatorio indicar un nombre y un email para enviar su comentario (el email no sera visible en el comentario).

Nombre:
e-mail:
Comentario: