Descarte de medicamentos: uma questão socioambiental e de saúde

Medicine dispoasal: a socio-enviromental and health issue

Descarte de medicamentos: una cuestión socioambiental y de salud

  • Eliel de Oliveira Bandeira Universidade Federal do Rio Grande (FURG) (Rio Grande do Sul, Brasil)
  • Daiane Porto Gautério Abreu Universidade Federal do Rio Grande (FURG) (Rio Grande do Sul, Brasil)
  • Juliana Piveta de Lima Universidade Federal do Rio Grande (FURG) (Rio Grande do Sul, Brasil)
  • Cesar Francisco Silva da Costa Universidade Federal do Rio Grande (FURG) (Rio Grande do Sul, Brasil)
  • Aline Rodrigues da Costa Universidade Federal do Rio Grande (FURG) (Rio Grande do Sul, Brasil)
  • Nidia Farias Fernandes Martins Universidade Federal do Rio Grande (FURG) (Rio Grande do Sul, Brasil)
Palabras clave: Residuos Sanitarios, Estrategia de Salud Familiar, Impacto Ambiental
Key-words: Medical Waste, Family Health Strategy, Environmental Impact
Palavras chave: Resíduos de serviços de saúde, Estratégia da saúde da família, Impacto ambiental

Resumen

Abstract

Resumo

Bibliografía

1. Rang HP, Dale MM. Range & Dale: farmacologia. 7 ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2011.
2. Francisco PMSB, Bastos TF, Costa KS, Prado MAMB, Barros MBA. The use of medication and associated factors among adults living in Campinas, São Paulo, Brazil: differences between men and women. Ciênc saúde coletiva [Internet]. 2014 dez [acesso em 2015 jul. 2017]; 19(12):4909-21. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S141381232014001204909&lng=en.
3. Tavares NUL, Costa KS, Mengue SS, Vieira MLFP, Malta DC, Silva Júnior JB. Uso de medicamentos para tratamento de doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol Serv Saúde [Internet]. 2015 jun [acesso em 2015 jul 07]; 24(2):315-23. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S223796222015000200315&lng=en.
4. Ministério da saúde (BR). Consumo de medicamentos: um autocuidado perigoso. Conselho Nacional de Saúde. Brasília: MS; 2015.
5. Chartier Y, Emmanuel J, Pieper U, Pruss A, Rushbrook P, Stringer R et al. Editores. Safe management of wastes from health-care activities. 2ªed. World Health Organization; 2014.
6. Machado SHS. O uso da teoria de stakeholders em uma análise da etapa de formulação da Política Nacional de Medicamentos. Rev Adm Pública. 2013; 47(3):543-65.
7. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 306, de 7 de dezembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Brasília: MS; 2004.
8. Ministério do Meio Ambiente (BR). Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA. Resolução nº 358 de 29 de abril de 2005. Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF); 2005. Disponível em: www.mma.gov.br/port/conama/ res/res05/res35805
9. Brasil. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Casa Civil, Brasília (DF); 2010. Disponível em:
10. Freitas ASA. A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a responsabilidade ambiental [Internet]. Âmbito Jurídico. 2010 [acesso em 2015 jul 07]. Disponível em: http://www.ambitojuridico.com.br/ site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=8617
11. Alves SB, Souza ACS, Tipple AFV, Rezende KCD, Rezende FR, Rodrigues ÉG. Manejo de resíduos gerados na assistência domiciliar pela Estratégia de Saúde da Familia. Rev bras enferm [Internet]. 2012 feb [acesso em 2015 jul 07] ; 65(1):128-34. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S003471672012000100019&lng=en.
12. Alencar TDOS, Machado CSR, Costa SCC, Alencar BR. Descarte de medicamentos: uma análise da prática no Programa Saúde da Família. Ciênc saúde coletiva [Internet]. 2014 jul [acesso em 2015 ago 02]; 19(7):2157-66. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S141381232014000702157&lng=en.
13. João, WDSJ. Descarte de medicamentos. Brasília: Pharmacia Brasileira v.82; 2011.
14. Pinto GMF, Silva KF, Pereira RFAB, Sampaio SI. Estudo do descarte residencial de medicamentos vencidos na região de Paulínia (SP), Brasil. Eng Sanit Ambient. 2014; 19(3)219-24.
15. Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Subsídios para construção da Política Nacional de Saúde Ambiental. Série B. Textos Básicos de Saúde.1.ed. Brasília (DF); 2007.
16. Vosgerau MZDS, Soares DA, Souza RKT, Matsuo T, Carvalho GS. Consumo de medicamentos entre adultos na área de abrangência de uma Unidade de Saúde da Família. Ciênc saúde coletiva [Internet]. 2011 [acesso em 2015 ago 03]; 16(Suppl1):1629-38. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413- 81232011000700099&lng=en.
17. Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo demográfico, 2010. Rio de Janeiro, IBGE; 2010. Disponível em: http://cod.ibge.gov. br/7GZ.
18. Moraes R, Galiazzi MC. Análise textual discursiva. 2ª ed. Ijuí: Editora Unijuí; 2011.
19. Doi KM, Moura GMSSD. Resíduos sólidos de serviços de saúde: uma fotografia do comprometimento da equipe de enfermagem. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 2011 jun [acesso em 2016 maio 07]; 32(2):338-44. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S198314472011000200018&lng=en.
20. Melo RC, Machado ME. Coordenação de Unidades de saúde da família por enfermeiros: desafios e potencialidades. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 2013 dez [acesso em 2016 maio 07]; 34(4):61- 7. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S198314472013000400008&lng=en.
21. Santos MA, Souza AO. Conhecimento de enfermeiros da Estratégia Saúde da Família sobre resíduos dos serviços de saúde, Rev bras enferm [Internet]. 2012 ago [acesso em 2016 maio 07]; 65(4):645- 52. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S003471672012000400014&lng=en.
22. Cafure VA, Graciolli SRP. Os resíduos de serviço de saúde e seus impactos ambientais: uma revisão bibliográfica. Interações (Campo Grande). 2015; 16(2):301-14.
23. Eickhoff P, Heineck I, Seixas LJ. Gerenciamento e destinação final de medicamentos: uma discussão sobre o problema. Rev Bras Farm. 2009; 90(1):64-8.
24. Peres RR, Camponogara S, Silva AC, Jacobi EO, Bataglin MS, Soares SGA. A responsabilidade ambiental sob a ótica de trabalhadores da atenção básica à saúde. J res: fundam care online [internet]. 2013 jul/set [acesso em 2016 maio 07]; 6(3):1090-104. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/ view/3343/pdf_1363
25. Bellan N, Pinto TJA, Kaneko TM, Moretto LD, Santos JN. Critical analysis of the regulations regarding the disposal of medication waste. Braz J Pharm Sci [Internet]. 2012 set [acesso em 2016 maio 10]; 48(3):507-18. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S198482502012000300018&lng=en.
26. Moreschi C, Rempel C, Backes DS, Carreno I, Siqueira DF, Marina B. A importância dos resíduos de serviços de saúde para docentes, discentes e egressos da área da saúde. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 2014 jun [acesso em 2016 maio 10]; 35(2):20- 6. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S198314472014000200020&lng=en.
27. BATISTA, K.B.C.; GONÇALVES, O.S.J. Formação dos profissionais de saúde para o SUS: significado e cuidado. Saude soc [Internet]. 2011 dez [acesso em 2016 maio 07]; 20(4):884- 99. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S010412902011000400007&lng=en.
28. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: MS; 2012.
29. Parcianello MK, Fonseca GGP, Zamberlan C, Freitas HMB, Nunes SS, Siqueira HCH. Abordagem ecossistêmica em terapia intensiva: conhecimento dos enfermeiros. R pesq: cuid fundam Online [internet]. 2013 [acesso em 2016 maio 10]; abr/jun. 5(2):3645-54. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/ view/2017/pdf_74
30. Ueda J, Tavernaro R, Marostega V, Pavan W. Impacto ambiental do descarte de fármacos e estudo da conscientização da população a respeito do problema. Revista Ciências do Ambiente On-Line [internet]. 2009 [acesso em 2016 maio 10]; 5(1):1-6. Disponível em: http://www.bhsbrasil.com.br/descarteconsciente/Estudo%20 Unicamp.pdf 
31. Costa ASC, Costa MS. Poluentes farmacêuticos: a poluição silenciosa. Jornal eletrônico: Faculdades integrativas Vianna Júnior. 2011 maio, Edição I.
32. Furukawa PO, Cunha ICKO, Pedreira MLG. Avaliação de ações ecologicamente sustentáveis no processo de medicação. Rev Bras Enferm [Internet]. 2016 feb [acesso em 2016 maio 07]; 69(1):23- 9. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S003471672016000100023&lng=en.
33. Borrely SI. Contaminação das águas por resíduos de medicamentos: ênfase ao cloridrato de fluoxetina. Mundo da Saúde. 2012; 36(4):556-63

Novedades
Estadísticas
Cómo citar
1.
Bandeira, Eliel de Oliveira; Abreu, Daiane Porto Gautério; Lima, Juliana Piveta de; Costa, Cesar Francisco Silva da; Costa, Aline Rodrigues da; Martins, Nidia Farias Fernandes. Descarte de medicamentos: una cuestión socioambiental y de salud. Revista De Pesquisa: Cuidado é Fundamental. 2019; 11(1): 1-0. Disponible en: http://ciberindex.com/c/ps/P111001 [acceso: 24/04/2019]
Sección
Pesquisa
Comentarios

DEJA TU COMENTARIO     VER 0 COMENTARIOS

Normas y uso de comentarios


Hay un total de 0 comentarios


INTRODUCIR NUEVO COMENTARIO

Para enviar un comentario, rellene los campos situados debajo. Recuerde que es obligatorio indicar un nombre y un email para enviar su comentario (el email no sera visible en el comentario).

Nombre:
e-mail:
Comentario: