Sistematización de la asistencia de enfermería: percepción de los enfermeros

Nursing care systematization: the nurses’ perception

Sistematização da Assistência de Enfermagem: percepção dos enfermeiro

  • Denise Consuelo Moser Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) (Chapecó, Brasil). Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) (Santa Catarina, Brasil)
  • Gelson Aguiar da Silva Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) (Chapecó, Brasil). Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) (Santa Catarina, Brasil)
  • Suellen Rodrigues de Oliveira Maier Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) (Chapecó, Brasil)
  • Leonardo Costa Barbosa Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) (Espíritu Santo, Brasil)
  • Tatiana Gaffuri da Silva Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) (Chapecó, Brasil)
Palabras clave: UCI, Enfermería, Sistematización de la Atención de Enfermería
Key-words: ICU, Nursing, Systematization of Nursing Care
Palavras chave: UTI, Enfermagem, Sistematização da Assistência de Enfermagem

Resumen

Abstract

Resumo

Bibliografía

1. Horta WA. O processo de enfermagem. São Paulo: Edusp; 1979.
2. Chaves LD. Sistematização da assistência de Enfermagem: considerações teóricas e aplicabilidade. São Paulo: Martinari; 2009.
3. Garcia TR, Nóbrega MMML. Sistematização da assistência de Enfermagem: reflexões sobre o processo. In: Anais do 52. Congresso Brasileiro de Enfermagem; 2000; Recife, Brasil. Recife; 2000.
4. Thiesen M. Estar da pessoa cirúrgica. Florianópolis. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina; 2005.
5. Pinho LB. O cuidado de enfermagem na unidade de terapia intensiva: contradição entre o discurso e a prática profissional. Florianópolis, 2005.
6. Figueiredo RM, Zem-Mascarenhas SH, Napoleão AA, Camargo AB. Caracterização da produção do conhecimento sobre sistematização da assistência de Enfermagem no Brasil. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2006; 40(2):299-303.
7. Hermida PMV, Araújo IEM. Sistematização da assistência de Enfermagem: subsídios para implantação. Revista Brasileira de Enfermagem. 2006 set-out; 59(5):675-9.
8. Mincoff RCL, Conte E, Nakamura EK. Histórico de Enfermagem baseado no diagnóstico de Enfermagem para UTI de um geral do hospital Universitário do Cajuru. [s.l.]: [s.n.], 2007.
9. Inoue KC, Matsuda LM. Dimensionamento da equipe de Enfermagem da UTI-Adulto de um hospital ensino. Rev. Eletr. Enf. 2009; 11(1):55-63.
10. Domingues CI, Santini L, Sinta VEF. Orientação aos pacientes e familiares: dificuldades ou falta de sistematização. Rev. Esc. Enf. USP. 1999 Mar; 33(1):39-48.
11. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo; Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco; 1993.
12. Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1997.
13. Miyadahira AMK, Cruz DALM, Padilha KG, Kimura M, Sousa RMC. Recursos humanos das Unidades de Terapia Intensiva do município de São Paulo. Rev. Latino-am. Enfermagem. 1999 dez.; 7(5):15-23.
14. Conselho Federal de Enfermagem. Lei nº 7.498/1986, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá outras providências. Rio de Janeiro: Cofen; 1986.
15. Kitahara PH, Kimura M, Padilha KG. Seguimento do enfermeiro graduado na Escola de Enfermagem da USP: sua inserção – em Unidades de Terapia Intensiva. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 1999 set; 33(3):284-93.
16. Domingues TAM; Chaves EC. O conhecimento científico como valor no agir do enfermeiro. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2005; (39): 580-88.
17. Pires SB. A sistematização do cuidado em Enfermagem: uma análise da implementação. Curitiba. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade Federal do Paraná; 2007.
18. Lino MM, Silva SC. Enfermagem na Unidade de Terapia Intensiva: a história como explicação de uma prática. Nursing, 2001. out. 41(4):25-29.
19. Potter AP, Perry GA. Fundamentos de Enfermagem. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2004.
20. Moura ACF, Rabelo CBM, Sampaio MRFB. Prática profissional e metodologia assistencial dos enfermeiros em hospital filantrópico. Rev. Bras. Enferm. 2008 ago; 61(4).
21. Silva AKLRS. Sistematização da assistência de Enfermagem: significado para a(o) enfermeira(o). Salvador: [s.n.]; 2006.
22. Kurcgant P. Formação e competência do enfermeiro em terapia intensiva. Enfoque, 1991; 23(2):4-6.
23. Truppel TC. Processo de Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva: análise de requisitos para a estruturação de um modelo informatizado. Curitiba; 2008.
24. Madeira LS. Processo de Enfermagem em UTI: implantando etapas para integralizar o sistema de assistência. Fortaleza; 2003.
25. Moser DC. A relação teórico-prática na formação do profissional do enfermeiro: reflexões de um percurso. Itajaí. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Vale do Itajaí; 2006.
26. Pinho LB. O cuidado de Enfermagem na Unidade de Terapia Intensiva: contradição entre o discurso e a prática profissional. Florianópolis: [s.n.] 2005.
27. Oliveira R, Maruyama SAT. Princípio da integralidade numa UTI pública: espaço e relações entre profissionais de saúde e usuários. Rev. Eletr. Enf. 2009; 11(2):375-82

Novedades
Estadísticas
Cómo citar
1.
Moser, Denise Consuelo; Silva, Gelson Aguiar da; Maier, Suellen Rodrigues de Oliveira; Barbosa, Leonardo Costa; Silva, Tatiana Gaffuri da. Sistematización de la asistencia de enfermería: percepción de los enfermeros. Revista De Pesquisa: Cuidado é Fundamental. 2018; 10(4): 998-007. Disponible en: http://ciberindex.com/c/ps/P104998 [acceso: 18/03/2019]
Sección
Pesquisa
Comentarios

DEJA TU COMENTARIO     VER 0 COMENTARIOS

Normas y uso de comentarios


Hay un total de 0 comentarios


INTRODUCIR NUEVO COMENTARIO

Para enviar un comentario, rellene los campos situados debajo. Recuerde que es obligatorio indicar un nombre y un email para enviar su comentario (el email no sera visible en el comentario).

Nombre:
e-mail:
Comentario: