Experiencias en el proceso de parturición: antagonismo entre el deseo y el miedo

Experiences on the childbirth process: antagonism between desire and fear

Vivências no processo de parturição: antagonismo entre o desejo e o medo

  • Selma Villas Boas Teixeira Escola de Enfermagem Alfredo Pinto. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) (Rio de Janeiro, Brasil)
  • Carolline Fontes Campos de Souza Silva Escola de Enfermagem Alfredo Pinto. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) (Rio de Janeiro, Brasil)
  • Leila Rangel da Silva Escola de Enfermagem Alfredo Pinto. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) (Rio de Janeiro, Brasil)
  • Cristiane Rodrigues da Rocha Escola de Enfermagem Alfredo Pinto. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) (Rio de Janeiro, Brasil)
  • Jessica Fernandes de Senna Nunes Escola de Enfermagem Alfredo Pinto. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) (Rio de Janeiro, Brasil)
  • Thelma Spindola Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) (Rio de Janeiro, Brasil)
Palabras clave: Parto humanizado, Trabajo de parto, Parto, Enfermería obstétrica
Key-words: Humanizing delivery, Labor obstetric, Parturion, Obstetric nursing
Palavras chave: Parto humanizado, Trabalho de parto, Parto, Enfermagem obstétrica

Resumen

Abstract

Resumo

Bibliografía

1. Aguiar JM, D’Oliveira AFPL, Schraiber LB. Violência institucional, autoridade médica e poder nas maternidades sob a ótica dos profissionais de saúde. Cad. Saúde Pública 2013; 29(11):2287-96.
2. Leal MC, Gama SGN. Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública 2014; 30(suppl.1):S5-S7.
3. Organização Mundial da Saúde. Assistência ao parto normal: um guia prático. Brasília: OMS; 1996.
4. Bittencourt F, Vieira JB, Hidalgo ACCA. Concepção de gestantes sobre o parto cesariano. Cogitare Enferm. 2013; 18(3):515-20.
5. Vasconcelos MFF, Nicolotti CA, Silva JF, Pereira SMLR. Entre políticas (EPS – Educação Permanente em Saúde e PNH – Política Nacional de Humanização): por um modo de formar no/para o Sistema Único de Saúde (SUS). Interface (Botucatu) 2016; 20(59):981-91.
6. Silva U, Fernandes BM, Paes MSL, Souza MD, Duque DAA. O cuidado de Enfermagem vivenciado por mulheres durante o parto na perspectiva da humanização. Rev Enferm UFPE. 2016; 10(4):1273-9.
7. Reis CSC, Souza DOM, Nogueira MFH, Progianti JM, Vargens OMC. Análise de partos acompanhados por enfermeiras obstétricas na perspectiva da humanização do parto e nascimento. J. Res.: Fundam. Care. Online 2016; 8(4):4972-79.
8. Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2010.
9. Matão MEL, Miranda DB, Costa BP, Borges TP. A visão médica do parto domiciliar: factível ou utópico? R. Enferm. Cent. O. Min. 2016; 6(2):2147-55.
10. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.
11. Siebra MA, Brito RC, Monteiro DMS, Monte NL. A dor do parto normal: significados atribuídos pelas puérperas usuárias do SUS. R. Interd. 2015; 8(2):86-93.
12. Almeida NAM, Medeiros M, Souza MR. Sentidos da dor do parto normal na perspectiva e vivência de um grupo de mulheres usuárias do Sistema Único de Saúde. Rev. Min. Enferm. 2012; 16(2):241-50.
13. Nascimento RRP, Arantes SL, Souza EDC, Contrera L, Sales APA. A escolha do tipo de parto: fatores relatados por puérperas. Rev Gaúcha Enferm. 2015; 36(esp):119-26.
14. Medeiros J, Hamad GBNZ, Costa RRO, Chaves AEP, Medeiros SM. Métodos não farmacológicos no alívio da dor no parto: percepção de puérperas. Revista Espaço para a Saúde 2015; 16(2):37-44.
15. Brasil. Lei nº 11.108, de 7 de abril de 2005. Altera a Lei 8.080, introduzindo o direito ao acompanhante de escolha durante o trabalho de parto, no parto e no pós-parto imediato. Diário Oficial da União 8 abr. 2005; Seção 1: 1.
16. Brüggemann OM, Ebsen ES, Ebele RR, Batista BD. Possibilidades de inserção do acompanhante no parto nas instituições públicas. Ciênc. Saúde Coletiva 2016; 21(8):2555-64.
17. Cúnico SD, Arpini DM. A família em mudanças: desafios para a paternidade contemporânea. Rev. Pensando Fam. 2013; 17(1):28-40.
18. Moreira APA, Nunes IM, Almeida MS, Santos ACC. Preparo paterno para serem acompanhantes no trabalho de parto. Enfermagem Obstétrica 2015; 2(1):3-8.
19. Progianti JM, Costa RF. Práticas educativas desenvolvidas por enfermeiras: repercussões sobre vivências de mulheres na gestação e no parto. Rev Bras Enferm. 2012; 65(2):257-63.
20. Velho MB, Santos EKA, Brüggemann OM, Camargo BV. Vivência do parto normal ou cesáreo: revisão integrativa sobre a percepção de mulheres. Texto Contexto Enferm. 2012; 21(2):458-66.
21. Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Saúde. Protocolo Assistencial da Enfermagem Obstétrica da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Saúde; 2013

Novedades
Estadísticas
Cómo citar
1.
Teixeira, Selma Villas Boas; Silva, Carolline Fontes Campos de Souza; Silva, Leila Rangel da; Rocha, Cristiane Rodrigues da; Nunes, Jessica Fernandes de Senna; Spindola, Thelma. Experiencias en el proceso de parturición: antagonismo entre el deseo y el miedo. Revista De Pesquisa: Cuidado é Fundamental. 2018; 10(4): 1103-10. Disponible en: http://ciberindex.com/c/ps/P1041103 [acceso: 21/01/2019]
Sección
Pesquisa
Comentarios

DEJA TU COMENTARIO     VER 0 COMENTARIOS

Normas y uso de comentarios


Hay un total de 0 comentarios


INTRODUCIR NUEVO COMENTARIO

Para enviar un comentario, rellene los campos situados debajo. Recuerde que es obligatorio indicar un nombre y un email para enviar su comentario (el email no sera visible en el comentario).

Nombre:
e-mail:
Comentario: