Necessidades em saúde de puérperas dependentes químicas na perspectiva dos profissionais de Enfermagem

Health needs of puerperal women with chemical dependence according to Nursing professionals

Necesidades de salud de puérperas dependientes químicas, de acuerdo con los profesionales de Enfermería

  • Gustavo Selenko de Aquino Universidade Federal do Paraná (UFPR) (Paraná, Brasil)
  • Liane Führ Pivatto Universidade Federal do Paraná (UFPR) (Paraná, Brasil)
  • Daniel Ignacio da Silva Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp) (São Paulo, Brasil). Escola de Enfermagem. Universidade de São Paulo (EE/USP) (São Paulo, Brasil)
Key-words: Substance-related disorders, Needs assessment, Postpartum period, Nursing
Palavras chave: Transtornos relacionados ao uso de substâncias, terminação de necessidades de cuidados de saúde, Período pós-parto, Enfermagem

Resumen

Abstract

Resumo

Bibliografía

1. Botelho APM, Rocha RC, Melo VH. Uso e dependência de cocaína/ crack na gestação, parto e puerpério. Femina. 2013 jan; 41(1):23-32.
2. Figueiredo MS, Silva RAR, Oliveira DKMA, Vieira NRS, Costa DARS, Davim RMB. Grau de satisfação de puérperas quanto à qualidade da assistência no alojamento conjunto de uma maternidade pública. Rev Pesqui Cuid Fundam Online 2015 jul-set; 7(3):2697-06.
3. Yabuuti PLK, Bernardy CCF. Perfil de gestantes usuárias de drogas atendidas em um Centro de Atenção Psicossocial. Rev Baiana Saúde Pública 2014 abr-jun; 38(2):344-56.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica: Saúde Mental. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.
5. Cecilio LCO. As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e eqüidade em saúde. In: Pinheiro R; Mattos RA, organizadores. Os sentidos da integralidade. Rio de Janeiro: UERJ; 2001. p. 113-126.
6. Egry EY, Oliveira MAC. Necessidades em saúde na perspectiva da atenção básica: guia para pesquisadores. 1. ed. São Paulo: USP; 2008.
7. Cecilio LCO, Matsumoto NF. Uma taxonomia operacional de necessidades de saúde. In: Pinheiro R, Ferla AF, Mattos RA, organizadores. Gestão em redes: tecendo os fios da integralidade em saúde. Rio Grande do Sul: EdUCS/UFRS; 2006. p. 1-8.
8. Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.
9. Biscotto PR, Jesus MCP, Silva MH, Oliveira DM, Merighi MAB. Compreensão da vivência de mulheres em situação de rua. Rev Esc Enferm USP. 2016 set-out; 50(5):750-56.
10. Neto MLA, Santos MFS. Os usos de crack em um contexto de vulnerabilidade: representações e práticas sociais entre usuários. Rev Psicol Teor Pesq. 2016 nov; 32(3):1-9.
11. Acevedo-Hernandez BA, Pizarro N, Moriel-Corral BL, González- Carrillo E, Berumen-Burciaga LV. Proceso educativo de enfermería para promover el autocuidado de la mujer durante el puerperio. Rev Enferm Inst Mex Seguro Soc. 2016 set-dic; 24(3):197-204.
12. Brasil. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica: Atenção ao Pré-Natal de Baixo Risco. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.
13. Zenteno-López MA, Tzontehua-Tzontehua I, Gil-Londoño E, Contreras-Arroy S, Galicia-Aguilar R. Continuidad de cuidados para la adherencia terapéutica en la persona con diabetes tipo 2. Rev Enfermeria Universitaria. 2016 mar.; 13(2):130-7.
14. Miccas FL, Batista SHSS. Educação Permanente em Saúde: metassíntese. Rev Saúde Pública. 2014 fev; 48(01):170-85.
15. Cordeiro L, Godoy A, Soares CB. A supervisão como processo educativo: construindo o paradigma de redução de danos emancipatória com uma equipe de CAPS-AD. Cad Ter Ocup UFSCar. 2014; 22(esp):153-9.
16. Brasil. Lei nº 11.108, de 7 de abril de 2005. Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS. Diário Oficial da União 7 abr 2005. Disponível em: http://www. planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11108.htm
17. Campos GWS, Figueiredo MD, Júnior NP, Castro CP. A aplicação da metodologia Paideia no apoio institucional, no apoio matricial e na clínica ampliada. Rev Interface Comun Saúde Educ. 2014; 18(01):983-95.
18. Muniz MP, Abrahão AL, Souza AC, Tavares CMM, Cedro LF, Storani M. Ampliando a rede: quando o usuário de drogas acessa a atenção psicossocial pela atenção básica. Rev Pesqui Cuid Fundam Online 2015 out-dez; 7(4):3441-3453.
19. Nicolli T, Gehlen MH, Ilha S, Diaz CMG, Machado KFC, Nietsche EA. Teoria do autocuidado na desintoxicação química de gestantes em uso do crack: contribuições da Enfermagem. Rev Esc Anna Nery. 2015 jul-set; 19(03):417-23.
20. Rodrigues PM, Zerbetto SR, Ciccilini MF. Percepção da equipe de Enfermagem sobre os fatores de risco para o consumo de drogas pelas gestantes. Rev Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. 2015 jul-set; 11(03):153-60.
21. Manente MV, Rodrigues OMPR. Maternidade e Trabalho: associação entre depressão pós-parto, apoio social e satisfação conjugal. Rev Pensando Fam. 2016 jul.; 20(1):99-11.
22. Dulfe PAM, Aguiar RCB, Alves VH, Rodrigues P. O cuidado de Enfermagem na admissão e permanência do recém-nascido no alojamento conjunto na transferência intra-hospitalar. Rev Pesqui Cuid Fundam Online 2015 abr-jun; 7(2):2287-2297.
23. BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União 13 jul 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/leis/L8069.htm
24. Chaves CMP, Lima FET, Mendonça LBA, Custódio IL, Matias ÉO. Avaliação do crescimento e desenvolvimento de crianças institucionalizadas. Rev Bras Enferm. 2013 set-out; 66(5):668-74

Novedades
Estadísticas
Cómo citar
1.
Aquino, Gustavo Selenko de; Pivatto, Liane Führ; Silva, Daniel Ignacio da. Necesidades de salud de puérperas dependientes químicas, de acuerdo con los profesionales de Enfermería. Revista De Pesquisa: Cuidado é Fundamental. 2018; 10(4): 1050-6. Disponible en: http://ciberindex.com/c/ps/P1041050 [acceso: 18/07/2019]
Sección
Pesquisa
Comentarios

DEJA TU COMENTARIO     VER 0 COMENTARIOS

Normas y uso de comentarios


Hay un total de 0 comentarios


INTRODUCIR NUEVO COMENTARIO

Para enviar un comentario, rellene los campos situados debajo. Recuerde que es obligatorio indicar un nombre y un email para enviar su comentario (el email no sera visible en el comentario).

Nombre:
e-mail:
Comentario: