Itinerario terapéutico de las personas con enfermedades crónicas úlcera venosa y implicaciones para la Enfermería

The therapeutic route of chronic venous ulcer bearing patients and its effects towards nursing care

Itinerário terapêutico de pessoas com úlcera venosa crônica e as implicações para o cuidado de Enfermagem

  • Jocimeli Aline Amaral da Silva Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões (URI) (Rio Grande do Sul, Brasil)
  • Sandra Ost Rodrigues Centro Universitário Franciscano (UNIFRA) (Rio Grande do Sul, Brasil). Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) (Santa Maria, Brasil)
  • Carla Senhorinha Silveira de Abreu Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões (URI) (Rio Grande do Sul, Brasil)
  • Greice Machado Pieszak Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) (Santa Maria, Brasil)
  • Vânia Lucia Durgante Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) (Santa Maria, Brasil)
  • Renan Rosa dos Santos Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões (URI) (Rio Grande do Sul, Brasil)
Palabras clave: Enfermería, Atención ambulatoria, Úlcera venosa
Key-words: Nursing, Ambulatory care, Venous ulcer
Palavras chave: Enfermagem, Assistência ambulatorial, Úlcera venosa

Resumen

Abstract

Resumo

Bibliografía

1. Silva DC, Budó MLD, Schimith MD, Durgante VL, Rizzatti SJS, Ressel LB. Itinerário terapêutico de pessoas com úlcera venosa em assistência ambulatorial. Texto Contexto Enferm. 2015; 24(3):722-30.
2. Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012 [acesso em 19 mar 2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ cuidado_condicoes_atencao_primaria_saude.pdf
3. Costa IKF, Nóbrega WG, Torres GV; Lira ALBC, Tourinho FSV. Pessoas com úlceras venosas: estudo do modo psicossocial do Modelo Adaptativo de Roy. Rev Gaúcha Enferm. 2011; 32(3):561-68.
4. Silva FAA, Moreira TMM. Características sociodemográficas e clínicas de clientes com úlcera venosa de perna. Rev Enferm UERJ 2011; 19(3):468-72.
5. Abbade LPF. Abordagem do paciente portador de úlcera venosa. In: Malagutti W, Kakihara CT, organizadores. Curativos, estomias e dermatologia: uma abordagem multiprofissional. 2. ed. São Paulo: Martinari; 2011.
6. Budó MLD, Durgante VL, Rizzatti SJS, Silva DC, Leal TC. Caracterização sociodemográfica e de saúde de pessoas com úlceras venosas em atendimento ambulatorial. Rev Enferm UFP 2013; 7(3):731-37.
7. Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.
8. Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 510, de 7 de abril de 2016. Brasília: Ministério da Saúde; 2016 [acesso em 10 jun 2016]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/ resolucoes/2016/Reso510.pdf
9. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13. ed. São Paulo: Hucitec; 2014.
10. Abbade LPF, Lastória S. Abordagem de pacientes com úlcera da perna de etiologia venosa. An. Bras. Dermatol. 2006; 81(6):509-22.
11. Dealey C. Cuidando de feridas: um guia prático para as enfermeiras. 3. ed. São Paulo: Atheneu; 2008.
12. Kleinman A. Patientsandhealers in thecontextofculture. California: Regents; 1980.
13. Garcia RP, Budó MLD, Oliveira SG, Beuter M, Girardon-Perlini NMO. Setores de cuidado à saúde e sua inter-relação na assistência domiciliar ao doente crônico. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2012; 18(3):270-76.
14. Martins MC, Garlet TMB. Desenvolvendo e divulgando o conhecimento sobre plantas medicinais. REGET. 2016; 20(1):438-448.
15. Mufato LF, Araújo LFS, Bellato R, Nepomuceno, MAS. Mediação nas redes para o cuidado de pessoa e família que vivencia o câncer colorretal. Texto Contexto Enferm. 2013; 22(2):407-15.
16. Araújo JB, Neto VLS, Anjos EU, Silva BCO, Rodrigues IDCV, Costa CS. Cotidiano de pacientes renais crônicos submetidos à hemodiálise: expectativas, modificações e relações sociais. Rev Fund Care Online 2016; 8(4):4996-5001.
17. Rocha LS, Beuter M, Neves ET, Leite MT, Brondani CM, Perlini NMOG. O cuidado de si de idosos que convivem com câncer em tratamento ambulatorial. Texto Contexto Enferm. 2014; 23(1):29-37.
18. Carduff E, Finucane A, Kendall M, Javis A, Harrison N, Greenacre J, et al. Understanding the barriers to identifying carers of people with advanced illness in primarycare: triangulating three data sources. BMC Family Practice 2014 [acesso em 6 ago 2014]; 15:48. Disponível em: http://www.biomedcentral. com/content/pdf/ 1471-2296-15-48.pdf
19. Mussy JHA, Corrêa ACS, Yokoyama LT, Silveira EL, Kietzer KS, Domingues RJS. Cicatrização de ferimentos incisionais em ratos submetidos à alimentação com carne suína. Rev Paraense de Medicina 2014; 28(3):9-18
20. Camacho TP, Barboza MCN, Roese A. Trajetórias percorridas por usuários com doença cardiovascular até a internação hospitalar. Rev Enferm UFSM 2013; 3(3):509-17.
21. Oliveira K, Veronez M, Marques CDC, Higarashi IH, Marcon SS. Itinerário percorrido pelas famílias de crianças internadas em um hospital escola. Rev Bras Enferm. 2014; 67(1):36-42
22. Carvalho VF, Kerber NPC, Wachholz VA, Pohlmann FC, Marques LA, Francioni FF. Acesso ao exame Papanicolau por usuárias do Sistema Único de Saúde. Rev Rene. 2016; 17(2):198-207.
23. Neves RR, Ferro PS, Nogueira LMV , Rodrigues ILA. Acesso e vínculo ao tratamento de tuberculose na atenção primária em saúde. Rev Fund Care Online 2016; 8(4):5143-5149.
24. Ferreira IP, Mendes AS, Silva NA. Manifestações do cuidar popular e profissional no cotidiano de Saúde de Famílias ribeirinhas da Ilha do Combu. Rev Fund Care Online 2010; 2(Ed. Supl.):999-1002.
25. Silva SF. Organização de redes regionalizadas e integradas de atenção à saúde: desafios do Sistema Único de Saúde (Brasil). Ciênc Saúde Coletiva 2011; 16(6):2753-62

Novedades
Estadísticas
Cómo citar
1.
Silva, Jocimeli Aline Amaral da; Rodrigues, Sandra Ost; Abreu, Carla Senhorinha Silveira de; Pieszak, Greice Machado; Durgante, Vânia Lucia; Santos, Renan Rosa dos. Itinerario terapéutico de las personas con enfermedades crónicas úlcera venosa y implicaciones para la Enfermería. Revista De Pesquisa: Cuidado é Fundamental. 2018; 10(4): 1041-9. Disponible en: http://ciberindex.com/c/ps/P1041041 [acceso: 26/03/2019]
Sección
Pesquisa
Comentarios

DEJA TU COMENTARIO     VER 0 COMENTARIOS

Normas y uso de comentarios


Hay un total de 0 comentarios


INTRODUCIR NUEVO COMENTARIO

Para enviar un comentario, rellene los campos situados debajo. Recuerde que es obligatorio indicar un nombre y un email para enviar su comentario (el email no sera visible en el comentario).

Nombre:
e-mail:
Comentario: