Significados Asignados por Mujeres Quilombolas el Cuidado de la Salud

Meanings of Health Care Assigned by Quilombola Women

Significados Atribuídos por Mulheres Quilombolas ao Cuidado à Saúde

  • Lisie Alende Prates Universidade Federal de Santa Maria (Santa Maria, Brasil)
  • Andrêssa Batista Possati Universidade Federal de Santa Maria (Santa Maria, Brasil)
  • Marcella Simões Timm Universidade Federal de Santa Maria (Santa Maria, Brasil)
  • Luiza Cremonese Universidade Federal de Santa Maria (Santa Maria, Brasil)
  • Gabriela Oliveira Universidade Federal de Santa Maria (Santa Maria, Brasil)
  • Lúcia Beatriz Ressel Universidade Federal de Santa Maria (Santa Maria, Brasil)
Palabras clave: Cultura

Resumen

Abstract

Resumo

Bibliografía

1. Silva IJ, Oliveira MFV, Silva SÉD, Polaro SHI, Radünz V, Santos EKA, Santana ME. Cuidado, autocuidado e cuidado de si: uma compreensão paradigmática para o cuidado de enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2009;43(3):697-703.
2. Pires D. A enfermagem enquanto disciplina, profissão e trabalho. Rev bras enferm. 2009;62(5):739-44.
3. Boff L. Saber cuidar: ética do humano - compaixão pela terra. 16 ed. Petrópolis: Vozes; 1999.
4. Barra DCC, Waterkemper R, Kempfer SS, Carraro TE, Radünz V. Hospitalidade como expressão do cuidado em enfermagem. Rev bras enferm. 2010;63(2):203-8.
5. González JS, Ruiz MCS. A história cultural e a estética dos cuidados de enfermagem. Rev latinoam enferm. 2011;19(5):1096-1105.
6. Reis AT, Santos RS, Paschoal Júnior A. O cuidado à mulher na contemporaneidade: reflexões teóricas para o exercício da enfermagem transcultural. REME Rev min enferm. 2012;16(1):129- 35.
7. Geertz C. A interpretação das culturas. 1 ed. reimpr. Rio de Janeiro: LTC; 2011.
8. INCRA-Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Quilombolas. [Internet], 2013 [acesso em 9 Dez 2013]. Disponível em: http://www.incra.gov.br/index.php/estrutura-fundiaria/ quilombolas
9. Ferreira CBC. Feminismos web: linhas de ação e maneiras de atuação no debate feminista contemporâneo. Cadernos Pagu. 2015;44:199-228.
10. Mayorga C, Coura A, Miralles N, Cunha VM. As críticas ao gênero e a As críticas ao gênero e a pluralização do pluralização do feminismo: colonialismo feminismo: colonialismo, racismo, racismo e política heterossexual e política heterossexual. Revista Estudos Feministas. 2013;21(2):463-84.
11. Lei nº 8.069, de 13 de Julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, 13 Jul 1990.
12. Bisol CA. Estratégias de pesquisa em contextos de diversidade cultural: entrevistas de listagem livre, entrevistas com informanteschave e grupos focais. Estud psicol (Campinas). 2012;29(1):719-26.
13. Ressel LB, Beck CLC, Gualda DMR, Hoffmann IC, Silva RM, Sehnem GD. O uso do grupo focal em pesquisa qualitativa. Texto & contexto enferm. 2008;17(4):779-86.
14. Minayo MCS. O desafio do conhecimento científico: pesquisa qualitativa em saúde. 14 ed. São Paulo: Hucitec; 2014.
15. Chies PV. Identidade de gênero e identidade profissional no campo de trabalho. Revista Estudos Feministas. 2010;18(2):507-28.
16. D’Oliveira MC, Camargo MAS. A interseccionalidade entre gênero e raça para a construção étnico-identitária das mulheres negras. In: Anais Eletrônicos do Seminário Internacional Fazendo Gênero. Seminário Internacional Fazendo Gênero 10; 16 a 20 de Setembro; Florianópolis, Brasil. Florianópolis; 2013. p. 1-11 [acesso 2015 Out 28]. Disponível em: http://www.fazendogenero. ufsc.br/10/resources/anais/20/1383766811_ARQUIVO_ AdalbertoFerdnandoInocencio.pdf
17. Helman CG. Cultura, saúde & doença. 5 ed. Porto Alegre: Artmed; 2009.
18. Hoga LAK. O cuidado com a saúde no contexto domiciliar: as práticas de mulheres de uma comunidade de baixa renda. In: Gualda DMR, Bergamasco RB. Enfermagem, cultura e o processo saúde-doença. São Paulo: Ícone; 2004.
19. Thum MA, Ceolin T, Borges AM. Percepção do processo saúdedoença de mulheres residentes em área rural. Rev enferm UFPE on line. 2011;5(3):734-40.
20. Landerdahl MC, Vieira LB, Cortes LF, Padoin SMM. Processo de empoderamento feminino mediado pela qualificação para o trabalho na construção civil. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2013;17(2):306-12.
21. Langdon EJ, Wiik FB. Antropologia, saúde e doença: uma introdução ao conceito de cultura aplicado às ciências da saúde. Rev latinoam enferm. 2010;18(3):173-81.
22. Junges CF, Ressel LB, Monticelli M. Entre desejos e possibilidades: práticas alimentares de gestantes em uma comunidade urbana no sul do Brasil. Texto & contexto enferm. 2014;23(2):382-90.
23. Fernandes MGM. O corpo e a construção das desigualdades de gênero pela ciência. Physis: Revista de Saúde Coletiva. 2009;19(4):1051-65.
24. Kochergin CN, Proietti FA, César CC. Comunidades quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil: autoavaliação de saúde e fatores associados. Cad saúde pública. 2014;30(7):1487-1501.
25. Santos LRCS, Assunção AÁ, Lima EP. Dor nas costas em adultos residentes em territórios quilombolas, Bahia. Rev saúde pública. 2014;48(5):450-7.
26. Soares DA, Barreto SM. Sobrepeso e obesidade abdominal em adultos quilombolas, Bahia, Brasil. Cad saúde pública. 2014;30(2):341-54.
27. Marcolino C, Galastro EP. As visões feminina e masculina acerca da participação de mulheres e homens no planejamento familiar. Rev latinoam enferm. 2001; 9(3):77-82.
28. Riscado JLS, Oliveira MAB, Brito ÂMBB. Vivenciando o Racismo e a Violência: um estudo sobre as vulnerabilidades da mulher negra e a busca de prevenção do HIV/AIDS em comunidades remanescentes de Quilombos, em Alagoas. Saúde Soc. 2010;19(2):96-108.
29. Cordeiro RC, Ferreira SL. Discriminação racial e de gênero em discursos de mulheres negras com anemia falciforme. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2009;13(2):352-8.
30. Werneck J. Mulheres negras: um olhar sobre as lutas sociais e as políticas públicas no Brasil. Rio de Janeiro: Grupo Criola; 2010.
31. Vieira ABD, Monteiro PS. Comunidade quilombola: análise do problema persistente do acesso à saúde, sob o enfoque da Bioética de Intervenção. Saúde debate. 2013;37(99):610-8.
32. Xavier EC. O olhar das mulheres quilombolas sobre a Atenção Básica e das profissionais das unidades básicas sobre a saúde das comunidades remanescentes de quilombos urbanas de Porto Alegre. In: Werneck J, Batista LE, Lopes F. Saúde da população negra. Brasília: ABPN; 2012.
33. Pedraza DF, Costa GMC. Acessibilidade aos serviços públicos de saúde: a visão dos usuários da Estratégia Saúde da Família. Enferm glob. 2014;13(33):267-78.
34. Gomes MCPA. Projeto: Ylê ayié yaya ilera (Saúde plena na casa desta existência): equidade e integralidade em saúde para a comunidade religiosa afro-brasileira. Interface comun saúde educ. 2010;14(34):663-72.
35. Marques AS, Freitas DA, Leão CDA, Oliveira SKM, Pereira MM, Caldeira AP. Atenção primária e saúde materno-infantil: a percepção de cuidadores em uma comunidade rural quilombola. Ciênc saúde coletiva. 2014;19(2):365-71.
36. Américo MC, Padilha AML. Quilombo Ivaporunduva: o saber escolar em nível superior como mediador na formação do jovem quilombola e seu compromisso com a atividade social da comunidade. Identidade. 2011;16(1):12-27

Novedades
Estadísticas
Cómo citar
1.
Prates, Lisie Alende; Possati, Andrêssa Batista; Timm, Marcella Simões; Cremonese, Luiza; Oliveira, Gabriela; Ressel, Lúcia Beatriz. Significados Asignados por Mujeres Quilombolas el Cuidado de la Salud. REVISTA DE PESQUISA: CUIDADO É FUNDAMENTAL. 27 de septiembre de 2018; 10(3). Disponible en: http://ciberindex.com/c/ps/P103847 [acceso: 18/10/2018]
Sección
Pesquisa
Comentarios

DEJA TU COMENTARIO     VER 0 COMENTARIOS

Normas y uso de comentarios


Hay un total de 0 comentarios


INTRODUCIR NUEVO COMENTARIO

Para enviar un comentario, rellene los campos situados debajo. Recuerde que es obligatorio indicar un nombre y un email para enviar su comentario (el email no sera visible en el comentario).

Nombre:
e-mail:
Comentario: