Significados Asignados por Mujeres Quilombolas el Cuidado de la Salud

Meanings of Health Care Assigned by Quilombola Women

Significados Atribuídos por Mulheres Quilombolas ao Cuidado à Saúde

  • Lisie Alende Prates Universidade Federal de Santa Maria (Santa Maria, Brasil)
  • Andrêssa Batista Possati Universidade Federal de Santa Maria (Santa Maria, Brasil)
  • Marcella Simões Timm Universidade Federal de Santa Maria (Santa Maria, Brasil)
  • Luiza Cremonese Universidade Federal de Santa Maria (Santa Maria, Brasil)
  • Gabriela Oliveira Universidade Federal de Santa Maria (Santa Maria, Brasil)
  • Lúcia Beatriz Ressel Universidade Federal de Santa Maria (Santa Maria, Brasil)
Palabras clave: Salud de la mujer, Grupo de ascendencia continental africana, Cultura

Resumen

Abstract

Resumo

Bibliografía

1. Silva IJ, Oliveira MFV, Silva SÉD, Polaro SHI, Radünz V, Santos EKA, Santana ME. Cuidado, autocuidado e cuidado de si: uma compreensão paradigmática para o cuidado de enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2009;43(3):697-703.
2. Pires D. A enfermagem enquanto disciplina, profissão e trabalho. Rev bras enferm. 2009;62(5):739-44.
3. Boff L. Saber cuidar: ética do humano - compaixão pela terra. 16 ed. Petrópolis: Vozes; 1999.
4. Barra DCC, Waterkemper R, Kempfer SS, Carraro TE, Radünz V. Hospitalidade como expressão do cuidado em enfermagem. Rev bras enferm. 2010;63(2):203-8.
5. González JS, Ruiz MCS. A história cultural e a estética dos cuidados de enfermagem. Rev latinoam enferm. 2011;19(5):1096-1105.
6. Reis AT, Santos RS, Paschoal Júnior A. O cuidado à mulher na contemporaneidade: reflexões teóricas para o exercício da enfermagem transcultural. REME Rev min enferm. 2012;16(1):129- 35.
7. Geertz C. A interpretação das culturas. 1 ed. reimpr. Rio de Janeiro: LTC; 2011.
8. INCRA-Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Quilombolas. [Internet], 2013 [acesso em 9 Dez 2013]. Disponível em: http://www.incra.gov.br/index.php/estrutura-fundiaria/ quilombolas
9. Ferreira CBC. Feminismos web: linhas de ação e maneiras de atuação no debate feminista contemporâneo. Cadernos Pagu. 2015;44:199-228.
10. Mayorga C, Coura A, Miralles N, Cunha VM. As críticas ao gênero e a As críticas ao gênero e a pluralização do pluralização do feminismo: colonialismo feminismo: colonialismo, racismo, racismo e política heterossexual e política heterossexual. Revista Estudos Feministas. 2013;21(2):463-84.
11. Lei nº 8.069, de 13 de Julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, 13 Jul 1990.
12. Bisol CA. Estratégias de pesquisa em contextos de diversidade cultural: entrevistas de listagem livre, entrevistas com informanteschave e grupos focais. Estud psicol (Campinas). 2012;29(1):719-26.
13. Ressel LB, Beck CLC, Gualda DMR, Hoffmann IC, Silva RM, Sehnem GD. O uso do grupo focal em pesquisa qualitativa. Texto & contexto enferm. 2008;17(4):779-86.
14. Minayo MCS. O desafio do conhecimento científico: pesquisa qualitativa em saúde. 14 ed. São Paulo: Hucitec; 2014.
15. Chies PV. Identidade de gênero e identidade profissional no campo de trabalho. Revista Estudos Feministas. 2010;18(2):507-28.
16. D’Oliveira MC, Camargo MAS. A interseccionalidade entre gênero e raça para a construção étnico-identitária das mulheres negras. In: Anais Eletrônicos do Seminário Internacional Fazendo Gênero. Seminário Internacional Fazendo Gênero 10; 16 a 20 de Setembro; Florianópolis, Brasil. Florianópolis; 2013. p. 1-11 [acesso 2015 Out 28]. Disponível em: http://www.fazendogenero. ufsc.br/10/resources/anais/20/1383766811_ARQUIVO_ AdalbertoFerdnandoInocencio.pdf
17. Helman CG. Cultura, saúde & doença. 5 ed. Porto Alegre: Artmed; 2009.
18. Hoga LAK. O cuidado com a saúde no contexto domiciliar: as práticas de mulheres de uma comunidade de baixa renda. In: Gualda DMR, Bergamasco RB. Enfermagem, cultura e o processo saúde-doença. São Paulo: Ícone; 2004.
19. Thum MA, Ceolin T, Borges AM. Percepção do processo saúdedoença de mulheres residentes em área rural. Rev enferm UFPE on line. 2011;5(3):734-40.
20. Landerdahl MC, Vieira LB, Cortes LF, Padoin SMM. Processo de empoderamento feminino mediado pela qualificação para o trabalho na construção civil. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2013;17(2):306-12.
21. Langdon EJ, Wiik FB. Antropologia, saúde e doença: uma introdução ao conceito de cultura aplicado às ciências da saúde. Rev latinoam enferm. 2010;18(3):173-81.
22. Junges CF, Ressel LB, Monticelli M. Entre desejos e possibilidades: práticas alimentares de gestantes em uma comunidade urbana no sul do Brasil. Texto & contexto enferm. 2014;23(2):382-90.
23. Fernandes MGM. O corpo e a construção das desigualdades de gênero pela ciência. Physis: Revista de Saúde Coletiva. 2009;19(4):1051-65.
24. Kochergin CN, Proietti FA, César CC. Comunidades quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil: autoavaliação de saúde e fatores associados. Cad saúde pública. 2014;30(7):1487-1501.
25. Santos LRCS, Assunção AÁ, Lima EP. Dor nas costas em adultos residentes em territórios quilombolas, Bahia. Rev saúde pública. 2014;48(5):450-7.
26. Soares DA, Barreto SM. Sobrepeso e obesidade abdominal em adultos quilombolas, Bahia, Brasil. Cad saúde pública. 2014;30(2):341-54.
27. Marcolino C, Galastro EP. As visões feminina e masculina acerca da participação de mulheres e homens no planejamento familiar. Rev latinoam enferm. 2001; 9(3):77-82.
28. Riscado JLS, Oliveira MAB, Brito ÂMBB. Vivenciando o Racismo e a Violência: um estudo sobre as vulnerabilidades da mulher negra e a busca de prevenção do HIV/AIDS em comunidades remanescentes de Quilombos, em Alagoas. Saúde Soc. 2010;19(2):96-108.
29. Cordeiro RC, Ferreira SL. Discriminação racial e de gênero em discursos de mulheres negras com anemia falciforme. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2009;13(2):352-8.
30. Werneck J. Mulheres negras: um olhar sobre as lutas sociais e as políticas públicas no Brasil. Rio de Janeiro: Grupo Criola; 2010.
31. Vieira ABD, Monteiro PS. Comunidade quilombola: análise do problema persistente do acesso à saúde, sob o enfoque da Bioética de Intervenção. Saúde debate. 2013;37(99):610-8.
32. Xavier EC. O olhar das mulheres quilombolas sobre a Atenção Básica e das profissionais das unidades básicas sobre a saúde das comunidades remanescentes de quilombos urbanas de Porto Alegre. In: Werneck J, Batista LE, Lopes F. Saúde da população negra. Brasília: ABPN; 2012.
33. Pedraza DF, Costa GMC. Acessibilidade aos serviços públicos de saúde: a visão dos usuários da Estratégia Saúde da Família. Enferm glob. 2014;13(33):267-78.
34. Gomes MCPA. Projeto: Ylê ayié yaya ilera (Saúde plena na casa desta existência): equidade e integralidade em saúde para a comunidade religiosa afro-brasileira. Interface comun saúde educ. 2010;14(34):663-72.
35. Marques AS, Freitas DA, Leão CDA, Oliveira SKM, Pereira MM, Caldeira AP. Atenção primária e saúde materno-infantil: a percepção de cuidadores em uma comunidade rural quilombola. Ciênc saúde coletiva. 2014;19(2):365-71.
36. Américo MC, Padilha AML. Quilombo Ivaporunduva: o saber escolar em nível superior como mediador na formação do jovem quilombola e seu compromisso com a atividade social da comunidade. Identidade. 2011;16(1):12-27

Novedades
Estadísticas
Cómo citar
1.
Prates, Lisie Alende; Possati, Andrêssa Batista; Timm, Marcella Simões; Cremonese, Luiza; Oliveira, Gabriela; Ressel, Lúcia Beatriz. Significados Asignados por Mujeres Quilombolas el Cuidado de la Salud. Revista De Pesquisa: Cuidado é Fundamental. 2018; 10(3): 847-55. Disponible en: http://ciberindex.com/c/ps/P103847 [acceso: 14/12/2018]
Sección
Pesquisa
Comentarios

DEJA TU COMENTARIO     VER 0 COMENTARIOS

Normas y uso de comentarios


Hay un total de 0 comentarios


INTRODUCIR NUEVO COMENTARIO

Para enviar un comentario, rellene los campos situados debajo. Recuerde que es obligatorio indicar un nombre y un email para enviar su comentario (el email no sera visible en el comentario).

Nombre:
e-mail:
Comentario: