A Visão de Enfermeiros Quanto a Aplicação da Escala de Braden no Paciente Idoso

The Nurses’ Viewpoint Regarding the Use of The Braden Scale With The Elderly Patient

La Visión Enfermeras Para la Aplicación de Escala en Braden Paciente Anciano

  • Raquel Debon Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (Rio Grande do Sul, Brasil)
  • Vera Lucia Fortunato Fortes Universidade de Passo Fundo (Rio Grande do Sul, Brasil)
  • Ana Claudia Roman Rós Universidade de Passo Fundo (Rio Grande do Sul, Brasil)
  • Maira Scaratti Universidade do Estado de Santa Catarina (Santa Catarina, Brasil)
Palabras clave: Lesiones de presión, Ancianos, Atención de enfermería

Resumen

Abstract

Resumo

Bibliografía

1. Borges EL, Fernandes FP. Manual de Prevenção de Lesões de Pele: Recomendações baseadas em evidências. 2 ed. Rio de Janeiro: Rubio; 2014.
2. U.S. National Library Of Medicine. National Institutes of Health. AA Braden Scale Source Information; 2011. Acesso em: 04 abr 2016.
3. National Pressure Ulcer Advisory Panel and European Pressure Ulcer Advisory Panel. Prevention and treatment of pressure ulcers: clinical practice guideline. Washington: National Pressure Ulcer Advisory Panel; 2016.
4. National Pressure Ulcer Advisory Panel and European Pressure Ulcer Advisory Panel. Prevention and treatment of pressure ulcers: clinical practice guideline. Washington: National Pressure Ulcer Advisory Panel; 2009.
5. Costa IG, Caliri MHL. Incidência e fatores de risco relacionados à úlcera de pressão em Centro de Terapia Intensiva de um Hospital Universitário. Rev Paul Enferm; 2004.
6. Santos I, Silva LD, Sousa CA. Aplicando recomendações da escala de Braden e prevenindo as úlceras por pressão: evidências do cuidar em enfermagem. Rev Bras Enferm; 2006.
7. Glaser G, Strauss A. The discovery of grounded theory: strategies for qualitative research. New York: Aldine de Gruyter; 1967.
8. Lincoln CL. A entrevista não estruturada como forma de conversação: razões e sugestões para sua análise. Rev. Adm. Publica; 2005. V.39.N.4. p:823-847, jul.ago.
9. Brasil. Resolução nº 466, de 12 dez 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Disponível em:< http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/ Reso466.pdf>. Acesso em: 12 out 2016.
10. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde .7. ed. São Paulo: ABRASCO; 2002.
11. Rycroft M, Mcinness JE. Pressure ulcer risk assessment and prevention. Technical Report.RCN: London; 2010.
12. Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 529/gm de 1 de Abril de 2013. Programa Nacional de Segurança do Paciente. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.
13. Goulart FM , Ferreira JA, Santos KAA, Morais VM , Freitas GAF. Prevenção de úlcera por pressão em pacientes acamados: uma revisão da literatura. Faculdade Objetivo, Rio Verde; 2008. p. 1-14. Disponível em: http://www.faculdadeobjetivo.com.br. Acesso em: 12 out. 2016.
14. Serpa LF, Santos VLCG, Campanili TCGF, Queiroz M. Validade preventiva da Escala de Braden para o risco de desenvolvimento de úlcera por pressão em pacientes críticos. Rev. Latino-Am de Enfermagem; 2011. v.19, n.1 Disponível em: Acesso em: 15 Out 2016.
15. Simão CMF. Úlcera por pressão em unidades de terapia intensiva e conformidade das ações de enfermagem. 134 f. [Dissertação Mestrado em Enfermagem], Universidade de São Paulo – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto; 2010. p. 20-4.
16. Rogenski NMB, Kurcgant P. Incidência de úlceras por pressão após a implementação de um protocolo de prevenção. Rev latinoam enferm [serial on the internet]. 2012 [cited 2013 Aug 6]; 20(2):1-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v20n2/pt_16.
17. Campolina AG, Adami F, Santos JLF, Lebrão ML. A transição de saúde e as mudanças na expectativa de vida saudável da população idosa: possíveis impactos da prevenção de doenças crônicas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro; 2013. v.29, n.6, p.1217-29
18. Rocha ABL, Barros SMO de. Avaliação de risco de úlcera por pressão: propriedades de medida da versão em português da escala de Waterlow. Acta Paul Enferm, v. 20, n. 2; 2007.
19. Fernandes LM. Úlceras de pressão em pacientes críticos hospitalizados. Uma revisão integrativa da literatura [dissertação]. Ribeirão Preto (SP): Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP; 2010.
20. Silva PLN ,Ruas PR, Soares LM, Rocha GG. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires; 2014. Ano 18: p.188.
21. D’Arco C, Sassarine SW, Costa MLM, Silva LMG. Úlcera de Pressão em UTI. In: Knobel E. Condutas no Paciente Grave. 3 ed. São Paulo: Atheneu; 2006. V. 2. p. 2491-501.
22. Stein EA, Santos JLG, Pestana AL, Guerra ST, Prochnow AG, Erdmann AL. Ações dos enfermeiros na gerência do cuidado para prevenção de úlceras por pressão em unidade de terapia intensiva. R Pesq Cuid Fundam; 2012;4(3):2605-12.
23. Rangel EML, Caliri MHL. Uso das diretrizes para tratamento da úlcera por pressão por enfermeiros de um hospital geral. Rev Eletrônica Enferm; 2009. 11(1):70-7.
24. Coêlho ADA, Lopes MVO , Melo RP, Castro ME. O idoso e a úlcera por pressão em serviço de atendimento domiciliar, Rev Rene; 2012. 13(3):639-49.
25. Costa AL. O papel do colchão magnético na formação da úlcera de pressão. IX Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e V Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba; 2006. [Acesso 20 Nov 2016] Disponível em http:// www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2005/epg/EPG4/EPG4-66%20 ok.pdf.
26. Minami LF , Santos PT , Ferrari CRS, Ciampone MHT, Messas JT, Mira VL. Avaliação do treinamento “Prevenção e tratamento de Úlcera por Pressão” ministrado à equipe de enfermagem; Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2012 jul/sep;14(3):663-70. Disponível em: http:// www.fen.ufg.br/revista/v14/n3/v14n3a24.htm.
27. Ministério da Saúde (BR), Instituto Nacional de Câncer – INCA. Tratamento e controle de feridas tumorais e úlceras por pressão no câncer avançado. Série – Cuidados Paliativos. Rio de Janeiro (RJ); 2009. [acesso 12 Nov 2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov. br/bvs/publicacoes/inca/Feridas_Tumorais.p
28. Nishio EA, Franco MTG. Modelo de Gestão em enfermagem: qualidade assistencial e segurança do paciente. Rio de Janeiro: Elsevier; 2011

Novedades
Estadísticas
Cómo citar
1.
Debon, Raquel; Fortes, Vera Lucia Fortunato; Rós, Ana Claudia Roman; Scaratti, Maira. La Visión Enfermeras Para la Aplicación de Escala en Braden Paciente Anciano. Revista De Pesquisa: Cuidado é Fundamental. 2018; 10(3): 817-23. Disponible en: http://ciberindex.com/c/ps/P103817 [acceso: 23/05/2019]
Sección
Pesquisa
Comentarios

DEJA TU COMENTARIO     VER 0 COMENTARIOS

Normas y uso de comentarios


Hay un total de 0 comentarios


INTRODUCIR NUEVO COMENTARIO

Para enviar un comentario, rellene los campos situados debajo. Recuerde que es obligatorio indicar un nombre y un email para enviar su comentario (el email no sera visible en el comentario).

Nombre:
e-mail:
Comentario: