Transfobia velada: sentidos produzidos por enfermeiros (as) sobre o acolhimento de travestis e transexuais

Veiled transphobia: meanings produced by nurses on the reception of travestis and transgender

Transfobia velada: sentidos producidos por enfermeros en la recepción de travestis y transgender

  • Pamela Suelen de Oliveira Reis Universidade do Estado do Amazonas (UEA) (Manaos, Amazonas, Brasil)
  • André Luiz Machado das Neves Universidade do Estado do Amazonas (UEA) (Manaos, Amazonas, Brasil)
  • Munique Therense Universidade do Estado do Amazonas (UEA) (Manaos, Amazonas, Brasil)
  • Eduardo Jorge Sant´Ana Honorato Universidade do Estado do Amazonas (UEA) (Manaos, Amazonas, Brasil)
  • Elizabeth Teixeira Universidade do Estado do Pará (UEPA) (Belém, Pará, Brasil)
Palabras clave: Transexualidad, Travesti, Atención básica, Género, Enfermería
Key-words: Transexuality, Transgender, Basic attention, Gender, Nursing
Palavras chave: Transexualidade, Travesti, Atenção básica, Gênero, Enfermagem

Resumen

Abstract

Resumo

Bibliografía

1. Brasil. Lei n. 8080, de 19 de Setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília (DF); 1990 20 set; Seção 1, p. 18055.
2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília; 2017.
3. Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n. 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) [Internet]. Brasília; 2011a [citado 2017 nov 17]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html
4. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília; 2012.
5. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde. 2a ed. 5a reimp. Brasília; 2010.
6. Brehmer LCF, Verdi M. Acolhimento na Atenção Básica: Reflexões éticas sobre a Atenção à Saúde dos usuários. Ciênc Saúde Colet [Internet]. 2010 nov [citado 2018 fev 1];15(Suppl 3):3569-78. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413- 81232010000900032&script=sci_abstract&tlng=pt
7. Krüger A. Acolhimento da população trans* na perspectiva da Saúde Pública no Brasil com foco na Atenção Básica. São Paulo; 2016 [citado 2018 fev 3]. Disponível em: http://redehumanizasus. net/95347-acolhimento-da-populacao-trans-na-perspectiva-dasaude- publica-no-brasil-com-foco-na-atencao-basica/
8. Mello L, Perilo M, Braz CA, Pedrosa C. Políticas de saúde para lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais no Brasil: em busca de universalidade, integralidade e equidade. Sex Salud Soc. 2011 dez [citado 2017 set 24];(9):7-28. Disponível em: http://dx.doi. org/10.1590/S1984-64872011000400002
9. Rocon PC, Rodrigues A, Zamboni J, Pedrini MD. Dificuldades vividas por pessoas trans no acesso ao Sistema Único de Saúde. Ciênc Saúde Colet [Internet]. 2016 ago [citado 2017 set 24];21(8)2517-26. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413- 81232016000802517&lng=en&nrm=iso
10. Peres WS, Toledo LG. Dissidências existenciais de gênero: resistências e enfrentamentos ao biopoder. Rev Psicol Polít [Internet]. 2011 dez [citado 2017 nov 26];11(22):261-77. Disponível em: http://pepsic. bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X201100 0200006&lng=pt&nrm=iso
11. Rosa E, Andriani AGP. Psicologia sócio-histórica: uma tentativa de sistematização epistemiológica e metodológica. In: Kahhale EMP, organizadora. A diversidade da psicologia: uma construção teórica. São Paulo (SP): Cortez; 2008. p. 259-88.
12. González Rey FL. Pesquisa qualitativa em psicologia: caminhos e desafios. São Paulo (SP): Pioneira Thomson/Learning; 2011.
13. Butler J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro (RJ): Civilização Brasileira; 2015.
14. Miskolci R, Pelúcio L. A prevenção do desvio: o dispositivo da aids e a repatologização das sexualidades dissidentes. Sex Salud Soc. 2009;(1):125-57.
15. Gomes R, Murta D, Facchini R, Meneghel SN. Gênero, direitos sexuais e suas implicações na saúde. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2018 Jun [citado 2019 Jan 2];23(6):1997-2006. Disponível em: http:// dx.doi.org/10.1590/1413-81232018236.04872018.
16. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Brasília (DF); 2013.
17. Cardoso MR, Ferro LF. Saúde e população LGBT: demandas e especificidades em questão. Psicol Cienc Prof [Internet]. 2012 [citado 2017 set 24];32(3):552-63.
18. Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Combate à Discriminação. Brasil Sem Homofobia: Programa de combate à violência e à discriminação contra GLTB e promoção da cidadania homossexual. Brasília (DF); 2004.
19. Bradford J, Reisner SL, Honnold JA, Xavier J. Experiences of transgender-related discrimination and implications for health: Results from the Virginia Transgender Health Initiative Study. Am J Public Health [Internet]. 2013 Oct [cited 2018 Feb 3];103(10):1820-9. Disponível em: from: https://ajph.aphapublications.org/doi/ pdf/10.2105/AJPH.2012.300796

Novedades
Estadísticas
Cómo citar
1.
Reis, Pamela Suelen de Oliveira; Neves, André Luiz Machado das; Therense, Munique; HonoratoEduardo Jorge Sant´Ana; Teixeira, Elizabeth. Transfobia velada: sentidos producidos por enfermeros en la recepción de travestis y transgender. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental. 2021; 13: 80-5. Disponible en: http://ciberindex.com/c/ps/P080085 [acceso: 12/04/2021]
Sección
Pesquisa
Comentarios

DEJA TU COMENTARIO     VER 0 COMENTARIOS

Normas y uso de comentarios


Hay un total de 0 comentarios


INTRODUCIR NUEVO COMENTARIO

Para enviar un comentario, rellene los campos situados debajo. Recuerde que es obligatorio indicar un nombre y un email para enviar su comentario (el email no sera visible en el comentario).

Nombre:
e-mail:
Comentario: