Aplicação do nursing activities score (NAS) em uma unidade de terapia intensiva (UTI)

Application of the nursing activities score (NAS) in an intensive care unit (ICU)

La aplicación del nursing activities score (NAS) en una unidad de terapia intensiva (UTI)

  • Bruna da Silva Louredo Pereira Instituto de Ensino Superior Celso Lisboa (Rio de Janeiro, Brasil)
  • Sandra Regina Maciqueira Pereira Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) (Rio de Janeiro, Brasil)
  • Ayla Maria Farias de Mesquita Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) (Rio de Janeiro, Brasil)
  • Adriana Carla Bridi Hospital Universitário Pedro Ernesto. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) (Rio de Janeiro, Brasil)
  • Vanessa Galdino de Paula Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) (Rio de Janeiro, Brasil)
  • Kamila Azevedo de Souza Hospitais Integrados da Gavea S/A (Rio de Janeiro, Brasil)
Palabras clave: Carga de trabajo, Terapia intensiva, Cuidados de enfermería
Key-words: Workload, Intensive therapy, Nursing care
Palavras chave: Carga de trabalho, Terapia intensiva, Cuidados de enfermagem

Resumen

Abstract

Resumo

Bibliografía

1. Altafim JAM,Grion CMC, Tanita MT, Festti J, Cardoso LTQ, Veiga CFF,etal.NursingActivities Score e carga de trabalho em unidade de terapia intensiva de hospital universitário. Rev Bras Ter Intensiva [Internet]. 2014 [acesso em 2017 set 20];26(3):292-98. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/rbti/v26n3/0103-507X-rbti-26-03-0292. pdf
2. Nogueira LS, et al. Carga de trabalho de enfermagem em unidades de terapia intensiva públicas e privadas. Rev Bras Ter Intensiva [Internet]. 2013 [acesso em 2017 set 20];25(3):225-32. Disponível em: http:// www.scielo.br/pdf/rbti/v25n3/0103-507x-rbti-25-03-0225.pdf
3. Queijo AF, Padilha KQ. NursingActivities Score (NAS): adaptação transcultural e validação para a língua portuguesa. Rev Esc Enferm USP [Internet ]. 2009 [acesso em 2016 maio 10];43(Esp):1018-25. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v43nspe/a04v43ns. pdf
4. Kakushi LE, Évora YDM. Tempo de assistência direta e indireta de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva. Rev Latino-Am Enfermagem [Internet]. 2014 [acesso em 2017 agos 17]; jan.-fev22(1). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v22n1/pt_0104-1169- rlae-22-01-00150.pdf
5. Queijo, AF. Tradução para o português e validação de um instrumento de medida de carga de trabalho de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva: Nursing Activities Score (NAS) [dissertação] [Internet]. São Paulo: Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem; 2002. [acesso em 2016 abril 16]. Disponível em: file:///C:/Users/marce/ Downloads/AldaTDE.pdf
6. Inoué KC, Matsuda LM. Dimensionamento de pessoal de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva para adultos. Acta Paul Enferm [Internet]. 2010 [acesso em 2016 maio 17];23(3):379-84. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v23n3/v23n3a11.pdf
7. Leite IRL, Silva GRF, Padilha KG. NursingActivities Score e demanda de trabalho de enfermagem em terapia intensiva. Acta Paul Enferm [Internet]. 2012 [acesso em 2017 set 22] ;25(6):837-43. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v25n6/v25n6a03.pdf
8. Lima MKF, Tsukamoto R, Fugulin FMT. Aplicação do Nursing Activities Score em pacientes de alta dependência de enfermagem. Texto Contexto Enferm [Internet], Florianópolis, 2008 [acesso em 2016 jun 15]; out-dez; 17(4): 638-46. Disponível em: http://www. scielo.br/pdf/tce/v17n4/03.pdf
9. Brasil. Conselho Federal De Enfermagem. Resolução n° 293 de 21 de setembro de 2004. [Internet]. [acesso em 2016 abr. 18]; Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-2932004_4329.html
10. Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466 de 12 de dezembro de 2012. [Internet] [acesso em 2016 jun 17]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/ res0466_12_12_2012.html
11. Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 510 de 7 de abril de 2016. [Internet][acesso em 2016 jun 17]. Disponível em: http:// conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf
12. Oliveira PC. Perfil epidemiológico da unidade de terapia intensiva de um hospital de reabilitação [especialização] [Internet]. Goiânia: [Internet]. Pontifícia Universidade Católica De Goiás; 2013. [acesso em 2016 agos16]. Disponível em: file:///C:/Users/marce/Downloads/ perfil-epidemiolgico-da-unidade-de-terapia-intensiva-de-umhospital- de-reabilitao%20(2).pdf
13. Prece, A, Cervantes J, Mazur CS, Visentim A. Perfil de pacientes em terapia intensiva: necessidade do conhecimento para organização do cuidado. Cad da Esc de Saúde [Internet]. Curitiba, 2016 [acesso em 2017 out 22]; v.2 (16): 35-48. Disponível em: http://revistas.unibrasil.com.br/cadernossaude/index.php/saude/article/view/252/236
14. Favarin SS, Camponogara S. Perfil dos pacientes internados na unidade de terapia intensiva adulto de um Hospital universitário. Rev Enferm UFSM [Internet]. 2012 [acesso em 2017 out 21]; maioago; 2(2):320-29.
15. Vieira MS. Perfil geográfico e clínico de pacientes admitidos na UTI através da Central de Regulação de Internações Hospitalares. Com Ciências Saúde [Internet]. 2011 [acesso em 2017 out 21];22(3):201- 10. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/revista_ESCS_v22_n3_a02_Perfil_geografico_clinico.pdf
16. Brasil. Agencia Nacional de Saúde Suplementar – ANS. Média de permanência UTI adultos. [Internet]. 2013 [acesso em 2016 jun 17]; v.1.01, jan. Disponível em: http://www.ans.gov.br/images/stories/ prestadores/E-EFI-07.pdf
17. Feitosa MC, Leite IRL, Da Silva GRF. Demanda de intervenções de enfermagem a pacientes sob cuidados intensivos: NAS - nursingactivities score. Esc Anna Nery [Internet].2012 [acesso em 2017 agos23]; out -dez; 16 (4):682- 88. Disponível em: http://www. scielo.br/pdf/ean/v16n4/06.pdf
18. Panunto MR, Guirardello EB. Carga de trabalho de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva de um hospital de ensino. Acta Paul Enferm. [Internet]. 2012 [acesso em 2017 set 13];25(1):96-101. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v25n1/v25n1a17.pdf
19. Ferreira PC, Machado RC, Vitor AF, Lira ALBC,Martins QMS. Dimensionamento de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva: evidências sobre o Nursing Activities Score. Rev Rene [Internet]. 2014 [acesso em 2017 out 13]; set-out; 15(5):888-97. Disponível em: file:///C:/Users/marce/Downloads/1685-13533-1-PB%20(1).pdf
20. Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 543, de 18 de abril de 2017. [Internet] [acesso em 2016 jun 17]; Disponível em: http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2017/05/ RESOLU%C3%87%C3%83O-COFEN-N%C2%BA-543-2017- completa.pdf.
21. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 7, de 24 de fevereiro de 2010. [Internet]. [acesso em 2016 jul 18]; Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2010/ res0007_24_02_2010.html
22. NovarettiI MCZ, Santos EV,QuitérioILM, Daud-Gallotti RM. Sobrecarga de trabalho da Enfermagem e incidentes e eventos adversos em pacientes internados em UTI. Rev Bras Enferm[Internet]. 2014 [acesso em 2017 out 12]; set-out;67(5):692-9. Disponível em: http:// www.scielo.br/pdf/reben/v67n5/0034-7167-reben-67-05-0692.pdf

Novedades
Estadísticas
Cómo citar
1.
Pereira, Bruna da Silva Louredo; Pereira, Sandra Regina Maciqueira; Mesquita, Ayla Maria Farias de; Bridi, Adriana Carla; Paula, Vanessa Galdino de; Souza, Kamila Azevedo de. La aplicación del nursing activities score (NAS) en una unidad de terapia intensiva (UTI). Revista De Pesquisa: Cuidado é Fundamental. 2020; 12(1): 78-6. Disponible en: http://ciberindex.com/c/ps/P078086 [acceso: 30/03/2020]
Sección
Pesquisa
Comentarios

DEJA TU COMENTARIO     VER 0 COMENTARIOS

Normas y uso de comentarios


Hay un total de 0 comentarios


INTRODUCIR NUEVO COMENTARIO

Para enviar un comentario, rellene los campos situados debajo. Recuerde que es obligatorio indicar un nombre y un email para enviar su comentario (el email no sera visible en el comentario).

Nombre:
e-mail:
Comentario: