Violencia contra la mujer en el modelo holístico de la teoría de Myra Estrin Levine

Violence against women in the holistic model of Myra Estrin Levine's theory

  • Beatriz Maria dos Santos Santiago Ribeiro Programa de Pós-graduação Interunidades de Doutoramento em Enfermagem, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, Brasil
  • Fabio Scorsolini-Comin Programa de Pós-graduação Interunidades de Doutoramento em Enfermagem, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, Brasil
Palabras clave: Violencia contra la mujer, Práctica de enfermería, Salud de la mujer
Key-words: Violence against women, Nursing practice, Women's health

Resumen

Abstract

Bibliografía

1. Associação de Mulheres Contra a Violência. Avaliação e Gestão de Risco em Rede. Manual para Profissionais. Lisboa. 2013. Disponible en: http://www.pgdlisboa.pt/docpgd/files/1436798180_gestao_risco_emar.pdf [acceso: 26/08/2021].
2. Santos GG. Visualizando la persistencia de la violencia contra la mujer. Index de Enfermería 2019; 28(4): 228.
3. Delziovo CR, Coelho EBS, d’Orsi E, Lindner SR. Violência sexual contra a mulher e o atendimento no setor saúde em Santa Catarina-Brasil. Ciênc S Col. 2018; 23:1687-96.
4. Queiroz AL, Reis MC. Cultura do estupro e as decisões do judiciário brasileiro. Novos Direitos 2017; 4(2):74-89.
5. World Health Organization. The prevention and elimination of disrespect and abuse during facility-based childbirth. Geneva. 2015. Disponible en: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/134 588/WHO_RHR_14.23_eng.pdf;jsessionid=76D2E AEB26A784049BB863811A189353?sequence=1 [acceso: 26/08/2021].
6. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. 10º Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2016. São Paulo. 2016. Disponible en: https://www.forum seguranca.org.br/storage/10_anuario_site_18-11-2016-retificado.pdf [acceso: 26/08/2021].
7. Rafael RMR, Moura ATMS, Tavares JMC, Ferreira REM, Camilo GGS, Neto M. Perfil das violências por parceiro íntimo em Unidades de Saúde da Família. Rev Bras Enferm. 2017; 70(6):1259-67.
8. DataSenado. Violência doméstica e familiar contra a mulher. 2017. Disponible en: https://www12.senado.leg.br/institucional/datasena do/arquivos/aumenta-numero-de-mulheres-que-declaram-ter-sofrido-violencia [acceso: 26/08/ 2021].
9. Santos SMAB, Oliveira ZM, Coqueiro RS, Santos VC, Anjos KF, Casotti CA. Prevalência e perfil de mulheres grávidas que sofreram violência física. Rev Pesq: Cuidado Fund. 2017; 9(2):401-7.
10. Okabayashi NYT, Tassara IG, Casaca MCG, Falcão AA, Bellini MZ. Violência contra a mulher e feminicídio no Brasil-impacto do isolamento social pela Covid-19. Braz J Health Rev. 2020; 3(3):4511-31.
11. Silva LELD, Oliveira MLCD. Violência contra a mulher: revisão sistemática da produção científica nacional no período de 2009 a 2013. Ciên S Col. 2015; 20:3523-32.
12. Albuquerque Netto L, Pereira ER, Tavares JMAB, Ferreira DDC, Broca PV. Atuação da enfermagem na conservação da saúde de mulheres em situação de violência. Rev Min Enf. 2018; 22:e-1149.
13. Brigidi S, Birosta, J. La sensibilización en temas de violencias de género en estudiantes de Enfermería. Index de Enfermería 2020;29(1-2):69-3.
14. Leonard MK. Myra Estrin Levine. Em: George JB. Teorias de enfermagem: os fundamentos para a prática profissional. Porto Alegre: Artes Médicas. 2000. Pp. 159-68.
15. Pinto AC, Garanhani ML, França TE, Pierotti I. Conceito de ser humano nas teorias de enfermagem: aproximação com o ensino da condição humana. Pro-Pos. 2017; 28(1):88-110.
16. Bezerra MB, Paulo APDS, Medeiros HRL, Rodrigues ESRC. (2019). Violência de gênero e suas consequências na saúde da mulher. Temas Saúde. 2019; 19(5):376-91.
17. Nursing Development Conference Group. Concept formalization in nursing: Process and product. Little, Brown. 1973.
18. Levine ME. The conservation principles: a retro-spective. Nurs Sc Quart. 1996; 9(1):38-41.
19. Vieira LB, Souza IEDO, Tocantins FR, Pina-Roche F. Support to women who denounce experienc-es of violence based on her social network. Rev Lat-Am Enf. 2015; 23(5):865-73.
20. Tsukamoto SAS, Galdino MJQ, Robazzi MLDCC, Ribeiro RP, Soares MH, Haddad MDCFL, Martins JT. Violência ocupacional na equipe de enfermagem: prevalência e fatores associados. Acta Paul Enf. 2019; 32(4):425-32.
21. Signorelli MC, Auad D, Pereira PPG. Violência doméstica contra mulheres e a atuação profissional na atenção primária à saúde: um estudo etnográfico em Matinhos, Paraná, Brasil. Cad S Púb. 2013; 29:1230-40.
22. Secretaria de Estado da Saúde do Paraná. Linha guia rede mãe paranaense. Curitiba-PR. 2014. Dispo-nible en: https://crianca.mppr.mp.br/arquivos/ Fi-le/publi/sesa_pr/mae_paranaense_linha_guia.pdf [acceso: 26/08/2021].
23. Vieira PR, Garcia LP, Maciel ELN. Isolamento social e o aumento da violência doméstica: o que isso nos revela? Rev Bras Epidem. 2020; 23: e200033.

Novedades
Estadísticas
Cómo citar
1.
Ribeiro, Beatriz Maria dos Santos Santiago; Scorsolini-Comin, Fabio. Violencia contra la mujer en el modelo holístico de la teoría de Myra Estrin Levine. Index de Enfermería. 2021; 30(4): 318-22. Disponible en: http://ciberindex.com/c/ie/e13324 [acceso: 27/09/2022]
Sección
Teorizaciones
Comentarios

DEJA TU COMENTARIO     VER 0 COMENTARIOS

Normas y uso de comentarios


Hay un total de 0 comentarios


INTRODUCIR NUEVO COMENTARIO

Para enviar un comentario, rellene los campos situados debajo. Recuerde que es obligatorio indicar un nombre y un email para enviar su comentario (el email no sera visible en el comentario).

Nombre:
e-mail:
Comentario: