Estructura del servicio de emergencias regional en la atención al sintomático respiratorio de tuberculosis

Structure of a regional Emergency Room in care of the tuberculosis respiratory symptoms

  • Jéssica Oliveira Tomberg Universidad Federal de Pelotas. Departamento de Enfermería (Pelotas, RS, Brasil).
  • Jenifer Härter Universidad Federal do Pampa. Departamento de Enfermería (Uruguaiana, RS, Brasil)
  • Lílian Moura de Lima Spagnolo Universidad Federal de Pelotas. Departamento de Enfermería (Pelotas, RS, Brasil)
  • María Elena Echevarria-Guanilo Universidad Federal de Santa Catarina. Departamento de Enfermería (Florianópolis, SC, Brasil)
  • Roxana Isabel Cardozo-Gonzales Cardozo-Gonzales Universidad Federal de Pelotas. Departamento de Enfermería (Pelotas, RS, Brasil)
Palabras clave: Tuberculosis, Evaluación en salud, Servicio hospitalario de emergencia
Key-words: Tuberculosis, Health evaluation, Hospital Emergency Service

Resumen

Abstract

Bibliografía

1. Garcia EA, Fugulin FMT. Distribuição do tempo de trabalho das enfermeiras em Unidade de Emergência. Rev Esc Enferm USP. 2010; 44(4):1032-8.
2. Souza MF, Figueiredo LA, Pinto IC. Análise da utilização do serviço de pronto-socorro na percepção do usuário. Cienc Cuid Saude. 2010; 9(1):13-20.
3. O’Dwyer GO, Oliveira SP, Seta MH. Avaliação dos serviços hospitalares de emergência do programa QualiSUS. Cienc. Saúde Coletiva. 2009; 14(5): 1881-90.
4. Andrade RLP, Scatolin BE, Wysocki AD, Beraldo AA, Monroe AA, Scatena LM et al. Diagnóstico da tuberculose: atenção básica ou pronto atendimento? Rev Saúde Pública. 2013; 47(6): 1149-58.
5. Ministério da Saúde (Brasil). Secretária de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de re-comendações para o controle da tuberculose no Brasil. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Brasília (DF), 2011.
6. Beraldo AA, Arakawa T, Pinto ESG, Andrade RLP, Wysocki AD, Silva-Sobrinho RA, et al. Atraso na busca por serviço de saúde para o diagnóstico da Tuberculose em Ribeirão Preto (SP). Ciênc. Saúde Coletiva. 2012; 17(11): 3079-86.
7. Silva-Sobrinho RA, Andrade RLP, Ponce MAS, Wysocki AD, Brunello ME, Scatena LM, et al. Retardo no diagnóstico da tuberculose em município da tríplice fronteira Brasil, Paraguai e Argentina. Rev. Panam Salud Publica. 2012; 31(6): 461–8.
8. Macinko J, Almeida C, Oliveira E. Avaliação das características organizacionais dos serviços de atenção básica em Petrópolis: teste de uma metodologia. Saúde Debate. 2003; 27(65): 243-56.
9. Villa TCS, Ruffino-Netto A. Questionário para avaliação de desempenho de serviços de atenção básica no controle da tubercu-lose no Brasil. J. Bras Pneumol. 2009; 35(6): 610-12.
10. Donabedian, A. The definition of quality and approaches to its assessment. Michigan: Ann Arbor/Health Administration Press, 1980.
11. Carvalho, H. Análise multivariada de dados qualitativos. Lisboa: Edições Silabo; 2004.
12. Hair JF, Black WC, Babin BJ, Anderson RE, Tathan RL. Análise Multivariada dos dados. Porto Alegre, 6ª edição, 2009.
13. Le Roux, B., Rouanet, H. Geometric Data Analysis – From Correspondence Analysis to Structured Data Analysis, Dordrecht. Kluwer Academic Publishers, 2004.
14. Mizuhira VF, Gazerra CE, Vendramini SHF, Ponce MAZ, Wysocki AD, Villa TCS. Procura da atenção básica para o diagnós-tico da tuberculose. Arq. Ciênc. Saúde. 2015; 22(2): 94-8.
15. Acosta AM, Lima MADS. Usuário frequentes de serviço de emergência: fatores associados e motivos de busca por atendi-mento. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2015; 23(2): 337-44.
16. Nóbrega RG, Nogueira JA, Ruffino-Netto A, Sá LD, Silva ATMC, Villa TCS. A busca ativa de sintomáticos respiratórios para o controle da tuberculose, no cenário indígena potiguara, Paraíba, Brasil. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2010; 18(6): [08 telas].
17. Nogueira JA, Ruffino Netto A, Monroe AA, Gonzales RIC, Villa TCS. Busca ativa de sintomáticos respiratórios no controle da tuberculose na percepção do agente de saúde. REE 2007; 9(1): 106-118.
18. Neto RJP, Costa CO, Filho JBBB, Lins JMM, Feitosa RGF, Leitão TMJS, et al. Tuberculose em ambiente hospitalar: Perfil clínico em hospital terciário do Ceará e grau de conhecimento dos profissionais de saúde acerca das medidas de controle. RBPS. 2010; 23(3): 260-67.
19. Romera AA, Barrêto AJR, Pinheiro PGOD, Adário KDO, Sá LD. Discurso dos enfermeiros gestores relacionado aos condi-cionantes que desfavorecem o controle da tuberculose em idosos. Rev Gaúcha Enferm. 2016; 37(4): e57327.
20. Macedo SMM, Andrade RPS, Souza CRBA, Andrade SS, Villa TCS, Pinto ESG. Estratégias para capacitação ao cuidado em tuberculose. Cogitare Enferm. 2016; 21(3): 01-08.
21. Rosado IVM, Russo GHA, Maia EMC. Produzir saúde suscita adoecimento? As contradições do trabalho em hospitais públi-cos de urgência e emergência. Ciênc. Saúde Coletiva. 2015; 20(10): 3021-32.
22. Barros NMGC, Honório LC. Riscos de adoecimento no trabalho de médicos e enfermeiros em um hospital regional mato-grossense. REGE. 2015; 22(1): 21-39.
23. Oliveira FP, Mazzaia MC, Marcolan JF. Sintomas de depressão e fatores intervenientes entre enfermeiros de serviço hospitalar de emergência. Acta Paul Enferm. 2015; 28(3): 209-15.
24. Ramos I, Souza FBA de, Oliveira AB. A biossegurança em tuberculose pulmonar e a prática de enfermagem em um hospital universitário do Rio de Janeiro. Brasil. Rev. de Pesq.: cuidado é fundamental. 2010; 2(1): 639-45.
25. Garlet ER, Lima MADS, Santos JLG, Marques GQ. Finalidade do trabalho em urgências e emergências: concepções de pro-fissionais. Rev Latino-am Enfermagem. [on-line]. 2009 jul-ago [citado em 7 out 2013]; 17(4): Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692009000400016>.

Novedades
Estadísticas
Cómo citar
1.
Tomberg, Jéssica Oliveira; Härter, Jenifer; de Lima Spagnolo, Lílian Moura; Echevarria-Guanilo, María Elena; Cardozo-Gonzales, Roxana Isabel Cardozo-Gonzales. Estructura del servicio de emergencias regional en la atención al sintomático respiratorio de tuberculosis. Enfermería Comunitaria. 2018; 14. Disponible en: http://ciberindex.com/c/ec/e10321 [acceso: 18/07/2019]
Sección
Originales
Comentarios

DEJA TU COMENTARIO     VER 0 COMENTARIOS

Normas y uso de comentarios


Hay un total de 0 comentarios


INTRODUCIR NUEVO COMENTARIO

Para enviar un comentario, rellene los campos situados debajo. Recuerde que es obligatorio indicar un nombre y un email para enviar su comentario (el email no sera visible en el comentario).

Nombre:
e-mail:
Comentario: