Razão de mortalidade materna por hipertensão: um estudo epidemiológico

Reason for maternal mortality due to hypertension: an epidemiological study

Razón de mortalidad materna por hipertensión: un estudio epidemiológico

  • Jardeliny Corrêa da Penha Universidade Estadual do Ceará (Ceará, Brasil)
  • Leyna Jordânia Alves da Costa
  • Caroline da Silva Sousa Universidade Federal do Piauí (Piauí, Brasil)
  • Ana Raquel Rodrigues Rosa
  • Natália Santos de Almeida Hospital Municipal de Chorozinho (Chorozinho, Ceará, Brasil)
  • Priscila de Souza Aquino Universidade Federal do Ceará (Ceará, Brasil)
Palabras clave: Muerte materna, inducida en el embarazo, vigilancia epidemiológica, enfermería obstétrica
Key-words: Maternal death, hypertension pregnancy-induced, epidemiological surveillance, obstetric nursing
Palavras chave: Morte materna, hipertensão induzida pela gravidez, vigilância epidemiológica, enfermagem obstétrica

Resumen

Abstract

Resumo

Bibliografía

A Áfio, A.C.E., Araújo, M.A.L., Rocha, A.F.B., Andrade, R.F.V. & Melo, S.P. (2014). Óbitos maternos: necessidade de repensar estratégias de enfrentamento. Rev. Rene., 15(4), 631-638.
Brasil. (2007). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual dos comitês de mortalidade materna. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde.
Brasil. (2011a). Ministério da Saúde. Manual prático para implementação da rede cegonha. Brasília: Ministério da Saúde.
Brasil. (2011b). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação Geral de Informações e Análises Epidemiológicas. Sistema de Informações sobre Mortalidade – SIM: Consolidação da base de dados de 2011. Brasília: Ministério da Saúde.
Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco. Brasilia: manual técnico. 5.ª ed.
Brasil. (2014). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Saúde Brasil 2013: uma análise da situação de saúde e das doenças transmissíveis relacionadas à pobreza. Brasília: Ministério da Saúde.
Brito, K.K.G., Moura, J.R.P., Sousa, M.J., Brito, J.V., Oliveira, S.H.S. & Soares, M.J.G.O. (2015). The prevalence of hypertensive syndromes particular of pregnancy (GHS). J. res.: fundam. care. online, 7(3), 2717-2725.
Ceará (Estado). Secretaria da Saúde. Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde. Núcleo de Vigilância Epidemiológica. (2015). Informe Epidemiológico Mortalidade Materna – junho 2015. Fortaleza: Secretaria da Saúde.
Ferraz, L. & Bordignon, M. (2012). Mortalidade materna no Brasil: uma realidade que precisa melhorar. Rev. baiana saúde pública, 36(2), 527-538.
Gil, M.M. & Gomes-Sponholz, F.A. (2013). Declarações de óbitos de mulheres em idade fértil: busca por óbitos maternos. Rev. bras. enferm., 66(3), 333-337.
Gomes, F.A., Nakano, A.M.S., Almeida, A.M. & Matuo, Y.K. (2006). Mortalidade materna na perspectiva familiar. Rev Esc Enf USP., 40(1), 50-56.
Matias, J.P., Parpinelli, M.A., Nunes, M.K.V., Surita, F.G.C. & Cecatti, J.G. (2009). Comparação entre dois métodos para investigação da mortalidade materna em município do Sudeste brasileiro. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., 31(11), 559-565.
Morse, M.L., Fonseca, S.C., Barbosa, M.D., Calil, E.B. & Eyer, F.P.C. (2011). Mortalidade materna no Brasil: o que mostra a produção científica nos últimos 30 anos? Cad. Saúde Pública, 27(4), 623-638.
Moura, M.D.R., Castro, M.P., Margotto, P.R. & Rugolo, L.M.S.S. (2011). Hipertensão arterial na gestação: importância do seguimento materno no desfecho neonatal. Com. Ciências Saúde, 22(supl. 1), S113-S120.
Novo, J.L.V.G. & Gianini, R.J. (2010). Mortalidade materna por eclampsia. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., 10(2), 209-217.
Ranaivoarisoa, M.Y. (2014). Caracterización de la mortalidad materna en la población aborigen de la provincia de Formosa de 2000 a 2004. 2014. Tesis (Maestría) - Universidad Nacional de Córdoba, Córdoba.
Ricci, S.S. (2013). Enfermagem materno-neonatal e saúde da mulher. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.
Silva, V.D.M.F., Queiroz, L.L.C., Queiroz, R.C.C.S.; Ribeiro, T.S.F. & Fonseca, M.S.S. (2013). Óbitos maternos em mulheres de 10 a 19 anos ocorridos no Estado do Maranhão em 2011. Rev. Ciênc. Saúde, 15(1), 47-54.
Soares, V.M.N., Souza, K.V., Freygang, T.C., Correa, V. & Saito, M.R. (2009). Mortalidade materna por préeclampsia/eclampsia em um estado do Sul do Brasil. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., 31(11), 566-573.
Sousa, D., Mendes, I.C., Oliveira, E.T., Chagas, A.C.M.A., Catunda, H.L.O., e Oriá, M.O.B. (2014).Mortalidade materna por causas hipertensivas e hemorrágicas: análise epidemiológica de uma década. Rev enferm UERJ, 22(4), 500-506.
United Nations. (2015). The Millennium Development Goals Report. New York: United Nations.
World Health Organization (WHO). (2012). Trends in Maternal Mortality: 1990 to 2010. WHO, UNICEF, UNFPA and The World Bank estimates. Geneva: WHO.
World Health Organization (WHO). (2013). Trends in maternal mortality: 1990 to 2013. Estimates by WHO, UNICEF, UNFPA, The World Bank and the United Nations Population Division. Geneva: WHO.
World Health Organization (WHO). (1991). World health statistic annual 1989, 1990, 1991. Geneva: WHO

Novedades
Estadísticas
Cómo citar
1.
Penha, Jardeliny Corrêa da; Costa, Leyna Jordânia Alves da; Sousa, Caroline da Silva; Rosa, Ana Raquel Rodrigues; Almeida, Natália Santos de; Aquino, Priscila de Souza. Razón de mortalidad materna por hipertensión: un estudio epidemiológico. Cultura De Los Cuidados. 2018; (52): 213-22. Disponible en: http://ciberindex.com/c/cc/52213cc [acceso: 20/04/2019]
Sección
Teoría y métodos enfermeros
Comentarios

DEJA TU COMENTARIO     VER 0 COMENTARIOS

Normas y uso de comentarios


Hay un total de 0 comentarios


INTRODUCIR NUEVO COMENTARIO

Para enviar un comentario, rellene los campos situados debajo. Recuerde que es obligatorio indicar un nombre y un email para enviar su comentario (el email no sera visible en el comentario).

Nombre:
e-mail:
Comentario: