Educación Continua: construcción del conocimiento y estrategias educativas para las enfermeras de oncología

Continuing Education: construction of knowledge and educational strategies by oncology nurses

Educação Permanente: construção de saberes e estratégias educativas por enfermeiros oncológicos

  • Fabiana Cristina dos Santos Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo (Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil)
  • Ana Maria Laus Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo (Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil)
  • Andrea Bernardes Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo (Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil)
  • Andrea Bernardes Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo (Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil)
  • Silvia Helena Henriques Camelo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo (Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil)
Palabras clave: Educación en enfermería, servicio de oncología en hospital, enfermeros, estrategias
Key-words: Education, nursing, oncology service hospital, nurses, strategies
Palavras chave: Educação em Enfermagem, serviço hospitalar de oncologia, enfermeiros, estratégias

Resumen

Abstract

Resumo

Bibliografía

Barreto, B.M.F., et al. (2013). Educação continuada/permanente como estratégia no gerenciamento de enfermagem no sistema único de saúde: uma revisão integrativa. J. res.: fundam. Care, 5(3), 85-93. Recuperado de http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/viewFile/1748/pdf_821.
Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 198/GM, de 13 de fevereiro de 2004. (2004). Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_educacao_permanente_saude.pdf.
Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1996/GM, de 20 de agosto de 2007. (2007). Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_educacao_permanente_saude.pdf.
Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº. 399/GM de 22 de fevereiro de 2006. (2006). Institui as Diretrizes operacionais do Pacto pela Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/prtGM399_20060222.pdf.
Ceccim, R.B. (2005). Educação pemanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface- Comunic., Saude, Educ, 9(16), 161-77. Recuperado dehttp://www.scielosp.org/pdf/icse/v9n16/v9n16a13.pdf.
Cofen- Conselho Federal de Enfermagem. (1996).Resolução Cofen nº 189/1996. Estabeleceparâmetros para dimensionamento do quadro deprofissionais de enfermagem nas instituições desaúde. Brasília: CFE. Recuperado dehttp://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-1891996-revogada-pela-resoluo-cofen2932004_4249.html.
Cofen- Conselho Federal de Enfermagem. (2004).Resolução Cofen nº 293/2004. Fixa e estabeleceparâmetros para o dimensionamento do quadro de profissionais de enfermagem nas unidades assistenciais das instituições de saúde e assemelhados. Brasília: CFE. Recuperado de http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-1891996-revogada-pela-resoluo-cofen-2932004_4249.html.
Fagundes, N.C., Rangel, A.G.C., Carneiro, T.M., Castro, L.M.C., & Gomes, B.S. (2016). Educação permanente em saúde no contexto do trabalho da enfermeira. Revista Enfermagem Uerj, 24(1), e11349. Recuperado de http://www.epublicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/11349/17855.
Luz, K.R., Vargas, M.A.O., Rosa, L.M., & Schmitt, P.H. (2016). Enfermeiros na atenção oncológica: conhecimento na prática do cuidado. Rev enferm UFPE on line, 10(9), 3369-76. Recuperado dehttp://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/view/8588/pdf_11016.
Magalhães, A.M.M., Riboldi, C.O., & Agnol, C.M.D. (2009). Planejamento de recursoshumanos de enfermagem: desafio para aslideranças. Rev Bras Enferm. 2009, 62(4), 608-12.Recuperadode http://www.scielo.br/pdf/reben/v62n4/20.pdf.
Minayo, M.C.S. (2014). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.
Ministério da Saúde. (2012). Resolução Nº 466/2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.
Montanha, D., & Peduzzi, M. (2010). Educação permanente em enfermagem: levantamento de necessidades e resultados esperados segundo a concepção dos trabalhadores. Rev Esc Enferm USP, 44(3), 597-604. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v44n3/07.pdf.
Nascimento, L.K.A.S., et al. (2012). Sistematização da assistência de enfermagem a pacientes oncológicos: uma revisão integrativa da literatura. Rev. Gaúcha Enferm, 33(1), 177-85.
Peduzzi, M., Guerra, D.A.D., Braga, C.P., Lucena, F.S., & Silva, J.A.M. (2009). Atividades educativas de trabalhadores na atenção primária: concepções de educação permanente e de educação continuada em saúde presentes no cotidiano de Unidades Básicas de Saúde em São Paulo. Interface (Botucatu), 13(30), 121-134. Recuperado de
http://www.scielo.br/pdf/icse/v13n30/v13n30a11.pdf.
Pereira, F.M., Barbosa, V.B.A., & Vernasque, J.R.S. (2014). A experiência da educação permanente como estratégia de gestão com os auxiliares de enfermagem. Rev Min Enferm, 18(1), 228-235. Recuperado de http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/921.
Rossetti, L.T. (2015). Educação permanente como ferramenta de gestão do Sistema Único de Saúde: a concepção dos enfermeiros. (Dissertação Mestrado). Escola de Enfermagem. Universidade de Juiz de Fora. Juiz de Fora.
Salimena, A.M.O., Teixeira, S.R., Amorim, T.V., Paiva, A.C.P.C., & Melo, M.C.S.C. (2013). O vivido dos enfermeiros no cuidado ao paciente oncológico. Cogitare Enfermagem, 18(1), 142-147. Recuperado dehttp://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/31320/20027.
Santos, F.C., Camelo. S.H.H., Laus, A.M., & Leal, L.A. (2015). El enfermero de unidades hospitalarias oncológicas: perfil y capacitación professional. Enfermería Global, 38, 301-3012. Recuperado de http://revistas.um.es/eglobal/article/view/190061/174331.
Silva, M.M., Curty, B.I.C., Duarte, S.C.M., & Zepeda, K.G.M. (2014). Gestão de segurança de enfermagem em enfermarias de onco-hematologia pediátrica. Rev Rene, 15(6), 915-24.Silva, M.C. (2015). Atenção Oncológica doColo de Útero no Brasil: as Políticas deEducação à Distância na Educação PermanenteProfissional. UNOPAR Cient., Ciênc. Human.Educ, 16(3), 234-44.
Yin, R.K. (2015). Estudo de caso: Planejamentoe métodos. Porto Alegre: Bookman.

Novedades
Estadísticas
Cómo citar
1.
Santos, Fabiana Cristina dos; Laus, Ana Maria; Bernardes, Andrea; Bernardes, Andrea; Camelo, Silvia Helena Henriques. Educación Continua: construcción del conocimiento y estrategias educativas para las enfermeras de oncología. Cultura De Los Cuidados. 23 de octubre de 2018; (51). Disponible en: http://ciberindex.com/c/cc/51022cc [acceso: 14/11/2018]
Sección
Fenomenología
Comentarios

DEJA TU COMENTARIO     VER 0 COMENTARIOS

Normas y uso de comentarios


Hay un total de 0 comentarios


INTRODUCIR NUEVO COMENTARIO

Para enviar un comentario, rellene los campos situados debajo. Recuerde que es obligatorio indicar un nombre y un email para enviar su comentario (el email no sera visible en el comentario).

Nombre:
e-mail:
Comentario: